10 termos que todo gestor de TI deve conhecer

O papel de um gestor de TI é mais crucial do que nunca. Não só deve liderar equipas e gerir infra-estruturas tecnológicas, como também deve estar a par das tendências e termos emergentes no mundo da tecnologia. Aqui estão 10 termos essenciais que todos os gestores de TI devem ter no seu vocabulário.

1. O que é um gestor de TI?

O gestor de TI, também conhecido como diretor de tecnologias da informação ou CTO (Chief Technology Officer), é uma figura-chave na estrutura organizacional de uma empresa moderna. É responsável pela supervisão e gestão de todos os aspectos das tecnologias da informação e das infra-estruturas tecnológicas de uma organização.

1.1 Principais funções de um gestor de TI

  • Estratégia tecnológica: Define e lidera a visão tecnológica da empresa, garantindo que está alinhada com os objectivos e as necessidades comerciais.
  • Gestão de equipas: Supervisiona e lidera equipas de TI, desde programadores e administradores de sistemas a especialistas em cibersegurança.
  • Infraestrutura e arquitetura: Assegura que a infraestrutura tecnológica é robusta, escalável e segura.
  • Segurança: Implementa políticas e ferramentas para proteger as informações e os activos digitais da empresa contra ameaças e vulnerabilidades.
  • Inovação: Procura e avalia novas tecnologias e soluções que possam acrescentar valor ao negócio.
  • Gestão de projectos: Supervisiona a implementação de projectos tecnológicos, assegurando que são concluídos a tempo e dentro do orçamento.
  • Suporte e manutenção: Assegura que todos os sistemas e aplicações funcionam corretamente e estão actualizados.

1.2 Importância do gestor de TI numa empresa

  • Adaptabilidade à mudança: Num mundo em que a tecnologia está a evoluir rapidamente, o gestor de TI é essencial para garantir que a empresa se adapta e tira partido das novas oportunidades.
  • Vantagem competitiva: uma gestão tecnológica eficaz pode diferenciar uma empresa dos seus concorrentes, oferecendo soluções mais inovadoras ou eficientes.
  • Segurança e conformidade: Com o aumento das ameaças cibernéticas e dos regulamentos de proteção de dados, é vital ter um líder que garanta a segurança e a conformidade das informações.
  • Eficiência operacional: uma infraestrutura tecnológica bem gerida pode melhorar a produtividade e a eficiência de toda a organização.
  • Tomada de decisões com base em dados: O gestor de TI desempenha um papel crucial na implementação de ferramentas e sistemas que permitem a análise de dados, facilitando a tomada de decisões mais informadas.
  • Visão a longo prazo: Este profissional não só lida com as necessidades tecnológicas imediatas, como também planeia o futuro tecnológico da empresa, garantindo a sua sustentabilidade e crescimento.

O gestor de TI é muito mais do que o responsável pela tecnologia de uma empresa. É um estratega, um líder e um inovador. Num mundo cada vez mais digitalizado, o seu papel é fundamental para garantir que a organização não só acompanha os tempos, como também se posiciona como líder no seu sector.

2. 10 termos que todos os gestores de TI devem conhecer

O papel de um gestor de TI é extremamente importante para a empresa, e dada essa importância, é essencial que esteja a par das últimas tendências tecnológicas que podem contribuir significativamente para o desenvolvimento da empresa, por isso aqui ficam os termos que todos os gestores de TI devem conhecer.

2.1 Computação em nuvem

A computação em nuvem refere-se à prestação de serviços de computação através da Internet, vulgarmente conhecida como “a nuvem“. Estes serviços podem incluir armazenamento, processamento, bases de dados, redes, software, análises e muito mais.

Em vez de possuírem e manterem servidores físicos ou centros de dados, as empresas podem alugar o acesso a tudo, desde aplicações a armazenamento, a um fornecedor de serviços de computação em nuvem.

2.1.1 Principais características da computação em nuvem

  • Elasticidade e escalabilidade: os recursos podem ser aumentados ou reduzidos rapidamente de acordo com a procura, permitindo flexibilidade.
  • Pagamento conforme o uso: em vez de investir em infra-estruturas dispendiosas, os utilizadores pagam apenas pelo que consomem.
  • Acesso a partir de qualquer lugar: os serviços em nuvem estão disponíveis a partir de qualquer lugar com uma ligação à Internet.
  • Gestão da manutenção: os fornecedores de serviços na nuvem tratam da manutenção, das actualizações e da segurança, libertando as empresas destas tarefas.
  • Recuperação de desastres e backup: Muitos fornecedores de serviços em nuvem oferecem soluções de backup e recuperação de desastres, o que pode reduzir os custos e aumentar a eficiência em comparação com os métodos tradicionais.

2.1.2 Modelos de serviços de computação em nuvem

  • IaaS (Infraestrutura como serviço): Fornece aos utilizadores acesso a recursos de computação, como servidores, armazenamento e redes. Exemplo: Amazon Web Services (AWS), Google Cloud Platform.
  • PaaS (Platform as a Service): Fornece um ambiente para desenvolver, testar e gerir aplicações sem se preocupar com a infraestrutura subjacente. Exemplo: Microsoft Azure, Heroku.
  • SaaS (Software as a Service): São aplicações que são entregues através da Internet e estão disponíveis para os utilizadores finais. Exemplo: Google Workspace, Salesforce.

2.1.3 Modelos de implantação de computação em nuvem

  • Nuvem pública: os recursos são de propriedade de um provedor de serviços de nuvem externo e são fornecidos pela Internet.
  • Nuvem privada: os recursos de computação são utilizados exclusivamente por uma empresa ou organização.
  • Nuvem híbrida: Combina nuvens públicas e privadas, permitindo a partilha de dados e aplicações entre elas.

Em suma, a computação em nuvem revolucionou a forma como as empresas e os indivíduos consomem e operam a tecnologia, oferecendo flexibilidade, eficiência e escalabilidade.

2.2 Big Data

Big Data refere-se a conjuntos de dados extremamente grandes que, devido ao seu volume, velocidade e variedade, requerem tecnologias e métodos específicos para serem armazenados, processados e analisados de forma eficaz. Estes dados provêm de uma variedade de fontes e, quando devidamente analisados, podem revelar padrões, tendências e associações, especialmente em relação ao comportamento e às interacções humanas.

2.2.1 Principais características do Big Data (os 5 V’s)

  • Volume: refere-se à enorme quantidade de dados gerados. Estamos a falar de terabytes, petabytes ou mesmo exabytes de dados.
  • Velocidade: Refere-se à velocidade com que novos dados são gerados, processados e analisados. Muitos destes dados são produzidos em tempo real, como os dados gerados por sensores ou redes sociais.
  • Variedade: Os dados podem provir de várias fontes e ser apresentados em diferentes formatos; estruturados (como bases de dados), semi-estruturados (como ficheiros JSON ou XML) ou não estruturados (como imagens, áudio ou texto livre).
  • Veracidade: Esta caraterística destaca a qualidade dos dados. Uma vez que as informações provêm de múltiplas fontes, é essencial determinar a exatidão e a fiabilidade desses dados.
  • Valor: Esta caraterística refere-se à capacidade de converter os seus dados em valor. É essencial extrair informações úteis e relevantes de grandes conjuntos de dados para tomar decisões informadas.

2.2.2 Importância dos grandes dados

  • Tomada de decisões: As empresas podem utilizar os grandes volumes de dados para obter informações e tomar decisões baseadas em dados, o que pode conduzir a estratégias mais eficazes e a resultados optimizados.
  • Personalização: As empresas podem compreender melhor as preferências e os comportamentos dos seus clientes, o que lhes permite oferecer experiências e produtos personalizados.
  • Otimização das operações: Através da análise de Big Data, as organizações podem melhorar a eficiência operacional, antecipar falhas e otimizar a cadeia de fornecimento.
  • Inovação: A análise de grandes conjuntos de dados pode levar ao desenvolvimento de novos produtos, serviços e modelos de negócio.
  • Deteção de fraudes: em sectores como o financeiro, o Big Data pode ser utilizado para detetar padrões anómalos e evitar fraudes.
  10 termos que todo contabilista deve conhecer

Em suma, Big Data não se refere apenas à enorme quantidade de dados, mas também às tecnologias e técnicas utilizadas para os analisar. A sua gestão e análise adequadas podem oferecer vantagens competitivas e abrir novas oportunidades para empresas e organizações de vários sectores.

2.3 IoT (Internet das coisas)

A Internet das Coisas (IoT) refere-se à interligação de objectos do quotidiano e de dispositivos industriais à Internet . Estes objectos, equipados com sensores, software e outras tecnologias, recolhem e partilham dados com outros dispositivos e sistemas através da rede.

2.3.1 Principais características da IoT

  • Conectividade: os dispositivos IoT estão constantemente ligados à Internet ou a outras redes, o que lhes permite enviar e receber dados.
  • Interação: Os dispositivos podem interagir entre si e com sistemas centralizados, automatizando acções com base nas informações que recolhem.
  • Autonomia: Muitos dispositivos IoT podem tomar decisões e agir de forma autónoma, com base nos dados que processam.
  • Integração: Os dispositivos IoT são integrados em sistemas mais alargados, desde casas inteligentes a cidades inteligentes e indústrias.

2.3.2 Aplicações IoT

  • Casa inteligente: Dispositivos como termóstatos, luzes, electrodomésticos e sistemas de segurança podem ser ligados à Internet, permitindo o seu controlo remoto e a sua automatização.
  • Saúde: Dispositivos vestíveis, como relógios ou pulseiras inteligentes, podem monitorizar constantemente indicadores de saúde e enviar alertas em caso de anomalias.
  • Indústria: Na Indústria 4.0, as máquinas estão interligadas, permitindo uma produção mais eficiente e a previsão de falhas antes de estas ocorrerem.
  • Transportes: Veículos interligados que podem partilhar informações sobre o trânsito, as condições das estradas ou mesmo comunicar entre si para evitar acidentes.
  • Cidades inteligentes: Sensores distribuídos numa cidade podem monitorizar tudo, desde os níveis de poluição ao fluxo de tráfego, permitindo uma gestão mais eficiente dos recursos urbanos.

2.3.2 Desafios da IoT

  • Segurança: A ligação de vários dispositivos à Internet aumenta a superfície de ataque, o que pode conduzir a vulnerabilidades e riscos de segurança.
  • Privacidade: A constante recolha de dados pode suscitar preocupações quanto à privacidade dos utilizadores e ao modo como esses dados são utilizados e armazenados.
  • Interoperabilidade: Com tantos fabricantes e normas no mercado, garantir que os dispositivos são compatíveis entre si é um desafio.
  • Infraestrutura: A enorme quantidade de dados gerados pelos dispositivos IoT exige uma infraestrutura robusta para armazenamento e análise.

Em suma, a IoT representa uma revolução na forma como os dispositivos e objectos do quotidiano interagem com o mundo digital, oferecendo oportunidades para melhorar a eficiência, a conveniência e a qualidade de vida, mas também apresentando desafios significativos que têm de ser resolvidos.

2.4 Cibersegurança

A cibersegurança refere-se ao conjunto de práticas, processos e tecnologias concebidos para proteger sistemas, redes, programas, dispositivos e dados contra ataques, danos ou acesso não autorizado. No atual contexto digital, a cibersegurança é essencial para garantir a integridade, a confidencialidade e a disponibilidade da informação.

2.4.1 Principais componentes da cibersegurança

  • Tecnologia: Inclui ferramentas como firewalls, sistemas de deteção e prevenção de intrusões, software antivírus e antimalware e soluções de cifragem.
  • Processos: Referem-se a políticas, procedimentos e outras medidas organizacionais que as empresas aplicam para reforçar a sua postura de segurança.
  • Pessoas: A formação e a sensibilização dos utilizadores são fundamentais, uma vez que o erro humano é uma das principais causas de incidentes de segurança.

2.4.2 Principais domínios da cibersegurança

  • Segurança da rede: Protege a integridade da rede contra ataques ou intrusões.
  • Segurança da informação: Protege a privacidade e a integridade dos dados, tanto em trânsito como em repouso.
  • Segurança dos pontos finais: Procura garantir que os dispositivos finais (como computadores, smartphones e tablets) não sejam pontos de entrada para ameaças.
  • Segurança na nuvem: Protege os dados utilizados e armazenados em aplicações e serviços baseados na nuvem.
  • Segurança das aplicações: Concentra-se em garantir que as aplicações estão livres de vulnerabilidades que podem ser exploradas por agentes maliciosos.
  • Recuperação de desastres e continuidade do negócio: Estabelece a forma como as organizações recuperam de um incidente de segurança e como continuam a funcionar.

2.4.3 Ameaças e desafios da cibersegurança

  • Phishing: Ataques que procuram enganar os utilizadores para que forneçam informações sensíveis.
  • Ransomware: Software malicioso que encripta os dados do utilizador e exige um resgate para os desbloquear.
  • Ataques DDoS: Ataques que inundam um sistema ou rede com tráfego para o tornar inacessível.
  • Ataques de força bruta: Tentativas repetidas de adivinhar credenciais para obter acesso a um sistema.
  • Vulnerabilidades de software: Falhas no software que podem ser exploradas para obter acesso não autorizado ou danificar sistemas.

2.4.4 Importância da cibersegurança

Com a crescente digitalização dos serviços e a dependência da tecnologia na vida quotidiana e empresarial, a cibersegurança tornou-se essencial. Um único incidente de segurança pode resultar na perda de dados confidenciais, em prejuízos financeiros, na perda de reputação e em consequências jurídicas.

Em suma, a cibersegurança é um domínio em constante evolução que procura proteger os activos digitais e físicos contra ameaças e ataques, garantindo a confiança e a segurança no mundo digital.

2.5 Blockchain

O Blockchain é uma tecnologia que permite a transferência de dados digitais com encriptação altamente sofisticada e de forma totalmente segura. Trata-se essencialmente de um registo digital de transacções incorruptível e distribuído por uma rede.

2.5.1 Principais características da Blockchain

  • Descentralização: Ao contrário dos sistemas tradicionais, em que uma entidade central detém o controlo, na cadeia de blocos, cada participante (nó) na rede tem acesso ao registo completo e ao seu historial completo de transacções. Nenhum participante tem controlo exclusivo sobre os dados e todos podem verificar os registos.
  • Imutabilidade: Uma vez introduzida a informação num bloco, esta não pode ser alterada retroativamente sem alterar todos os blocos subsequentes, o que requer o consenso da maioria da rede.
  • Transparência: Devido à sua natureza descentralizada, todas as transacções podem ser vistas por qualquer participante na rede e são auditáveis.
  • Segurança: As transacções têm de ser aprovadas por consenso antes de serem registadas. Uma vez aprovada, a transação é encriptada e ligada à transação anterior.

2.5.2 Como funciona a Blockchain?

  • Transação: Tudo começa quando é feita uma transação, que está pendente de verificação.
  • Verificação: Em vez de serem verificadas por uma entidade central, na rede blockchain, as transacções são verificadas por uma rede de computadores (nós).
  • Bloco: Uma vez verificada, a transação é armazenada num bloco. Este bloco também contém informações como um carimbo de data e dados de transacções anteriores.
  • Cadeia: O bloco verificado é adicionado à cadeia numa ordem linear e cronológica, formando assim uma cadeia de blocos.
  • Finalização: Uma vez adicionada à cadeia, a transação é irreversível e passa a fazer parte do registo imutável.

2.5.3 Aplicações da cadeia de blocos

  • Criptomoedas: Esta é a aplicação mais conhecida. A Bitcoin, a primeira criptomoeda, introduziu a tecnologia de cadeia de blocos no mundo.
  • Contratos inteligentes: São programas auto-executáveis com as instruções do contrato diretamente escritas em linhas de código. A Ethereum é uma plataforma popular para estes contratos.
  • Registo de terras e propriedades: a cadeia de blocos pode fornecer registos de propriedade claros e imutáveis.
  • Cadeia de abastecimento e rastreio: Permite o rastreio transparente de produtos desde a origem até à entrega final.
  • Verificação da identidade e das credenciais: Pode fornecer uma forma segura e imutável de verificar a identidade e as credenciais de uma pessoa.
  • Votação: Potencial para criar sistemas de votação transparentes e à prova de adulteração.
  10 termos que todo contabilista deve conhecer

2.5.4 Desafios da cadeia de blocos

  • Escala e velocidade: As redes de cadeias de blocos, especialmente as públicas, podem enfrentar problemas de escalabilidade e de velocidade das transacções.
  • Tamanho: Com o tempo, o tamanho da cadeia de blocos pode tornar-se significativamente grande, levantando problemas de armazenamento e sincronização.
  • Adoção: Apesar do seu potencial, a adoção em massa da cadeia de blocos ainda enfrenta resistência devido à falta de compreensão, regulamentação e alterações nos modelos de negócio.

Em suma, a cadeia de blocos é uma tecnologia revolucionária que oferece transparência, segurança e descentralização. Embora seja mais conhecida por ser a tecnologia por detrás das criptomoedas, as suas potenciais aplicações são vastas e podem transformar vários sectores da economia e da sociedade.

gestor TI

2.6 Inteligência Artificial (IA)

A Inteligência Artificial (IA) refere-se à simulação da inteligência humana em máquinas. É um ramo da ciência informática que procura criar sistemas capazes de realizar tarefas que, até agora, exigiam a inteligência humana. Estas tarefas incluem o processamento da linguagem natural, o reconhecimento de padrões, a tomada de decisões e a resolução de problemas.

2.6.1 Principais características da IA

  • Aprendizagem: A capacidade de adquirir e processar informações a partir de dados para melhorar as suas próprias capacidades.
  • Raciocínio: A capacidade de resolver problemas através de um processo lógico.
  • Auto-correção: A capacidade de identificar e corrigir erros de forma autónoma.
  • Perceção: Reconhecimento e processamento de imagens, sons e outros tipos de dados sensoriais.

2.6.2 Tipos e abordagens da IA

  • IA fraca ou restrita: Concebida e treinada para executar uma tarefa específica sem possuir consciência ou emoções. Os exemplos incluem assistentes virtuais como a Siri ou a Alexa.
  • IA geral: Possui capacidades cognitivas semelhantes às humanas. Quando confrontada com uma tarefa desconhecida, tem a capacidade de encontrar uma solução de forma autónoma. Esta forma de IA é ainda teórica e não foi ainda concretizada.
  • IA super inteligente: Refere-se a uma forma de inteligência artificial que ultrapassa a capacidade cognitiva humana em praticamente todos os domínios, desde a criatividade ao raciocínio geral. Trata-se de um conceito mais especulativo e futurista.

2.6.3 Tecnologias e subdomínios relacionados com a IA

  • Aprendizagem automática: Um subconjunto da IA que permite que as máquinas aprendam a partir de dados sem serem explicitamente programadas.
  • Redes neuronais: Algoritmos inspirados na estrutura do cérebro humano que são utilizados para o reconhecimento de padrões.
  • Processamento de linguagem natural (PNL): Permite às máquinas compreender, interpretar e gerar linguagem humana.
  • Visão por computador: Permite que as máquinas interpretem e tomem decisões com base em representações visuais.
  • Robótica: centra-se na criação de robôs capazes de se moverem e de responderem ao seu ambiente.
  • Sistemas especializados: são programas informáticos que imitam o processo de tomada de decisão de um perito humano num determinado domínio.

Em suma, a Inteligência Artificial é uma disciplina em constante evolução que procura emular e alargar as capacidades humanas através de máquinas, oferecendo um imenso potencial de progresso e inovação em vários domínios, mas também apresentando desafios éticos e práticos significativos.

2.7 DevOps

DevOps é uma combinação das palavras “Desenvolvimento” (Dev) e “Operações” (Ops). Refere-se a uma filosofia, cultura e prática que procura melhorar a colaboração entre as equipas de desenvolvimento e operações de TI, com o objetivo de fornecer software de forma mais rápida, eficiente e fiável.

2.7.1 Princípios-chave do DevOps

  • Colaboração: O DevOps dá ênfase à colaboração entre os programadores e as operações, quebrando os “silos” tradicionais para trabalhar em conjunto desde a conceção do projeto até à produção.
  • Automatização: Desde a integração contínua e a entrega contínua (CI/CD) até à automatização da infraestrutura, o DevOps procura eliminar as tarefas manuais repetitivas para acelerar o ciclo de vida do software.
  • Integração contínua: Refere-se à prática de fundir automaticamente todas as alterações de desenvolvimento num repositório central várias vezes por dia.
  • Entrega Contínua: Automatiza a entrega de aplicações a infra-estruturas seleccionadas.
  • Feedback rápido: Através da monitorização e do registo, procura obter feedback constante do sistema em produção para detetar e corrigir problemas rapidamente.
  • Infraestrutura como Código (IaC): Trata a infraestrutura de TI (servidores, bases de dados, redes, etc.) como código, permitindo a automatização e replicabilidade de ambientes.

2.7.2 Benefícios do DevOps

  • Entrega rápida: com a automatização e a colaboração melhorada, as organizações podem entregar funcionalidades, correcções e actualizações de software mais rapidamente.
  • Melhoria da qualidade e da fiabilidade: com a integração e a entrega contínuas, os problemas podem ser detectados e corrigidos rapidamente, melhorando a qualidade do software.
  • Colaboração melhorada: ao acabar com os silos tradicionais, as equipas podem trabalhar em conjunto, partilhando responsabilidades e combinando os seus fluxos de trabalho.
  • Eficiência melhorada: a automatização de tarefas repetitivas permite que as equipas se concentrem em tarefas de maior valor.
  • Resiliência: com práticas como a integração contínua e a infraestrutura como código, é mais fácil gerir e recuperar de falhas e erros.

2.7.3 Desafios do DevOps

  • Mudança cultural: A adoção de DevOps pode exigir uma mudança significativa na cultura da empresa, que pode enfrentar resistência.
  • Ferramentas e tecnologias: Escolher e adaptar as ferramentas correctas para DevOps pode ser um desafio.
  • Segurança: Integrar a segurança no ciclo de vida do DevOps (por vezes designado por “DevSecOps”) é essencial, mas pode apresentar desafios em termos de ferramentas e práticas.

Em suma, o DevOps é uma filosofia e uma prática que procura unificar o desenvolvimento e as operações de TI para melhorar a eficiência, a qualidade e a velocidade da entrega de software. Embora seja um desafio, a sua adoção pode oferecer benefícios significativos às organizações em termos de desempenho e competitividade.

2.8 Computação periférica

A computação periférica refere-se à prática de processar dados perto do local onde são gerados, ou seja, na “extremidade” da rede, em vez de enviar esses dados para um centro de dados centralizado ou para a nuvem para processamento. Esta abordagem visa reduzir a latência, acelerar o processamento e fornecer decisões em tempo real.

2.8.1 Principais características da computação periférica

  • Proximidade: Os dispositivos de computação periférica estão localizados perto dos dispositivos de origem, como sensores, câmaras ou qualquer outro dispositivo que gere dados.
  • Latência reduzida: Ao processar os dados localmente, o tempo necessário para obter respostas é reduzido, o que é crucial para as aplicações em tempo real.
  • Descentralização: Ao contrário dos modelos tradicionais centralizados, o Edge Computing distribui o processamento por vários pontos da rede.
  • Eficiência: Ao processar os dados localmente, a quantidade de dados que deve ser transferida para a nuvem é reduzida, economizando largura de banda e reduzindo custos.

2.8.2 Aplicações e usos da Edge Computing

  • Internet das Coisas (IoT): Dispositivos como sensores, veículos autónomos e wearables podem beneficiar das decisões em tempo real fornecidas pelo Edge Computing.
  • Realidade aumentada e virtual: Estas tecnologias exigem um processamento rápido para proporcionar experiências suaves e realistas.
  • Indústrias e fábricas: Em ambientes industriais, a capacidade de processar dados em tempo real pode ser crucial para monitorizar e controlar máquinas.
  • Cidades inteligentes: Sensores e câmaras distribuídos numa cidade podem processar e agir sobre os dados localmente, melhorando a eficiência e a resposta a eventos.
  • Telecomunicações: As estações de base e outros pontos de acesso podem beneficiar do Edge Computing para oferecer serviços mais rápidos e eficientes aos utilizadores.
  Recibo e Fatura: o que são e para que servem?

2.8.3 Benefícios da computação periférica

  • Velocidade: Permite o processamento em tempo real, que é essencial para muitas aplicações modernas.
  • Redução de custos: Ao enviar menos dados para a nuvem, poupa nos custos de transmissão e armazenamento.
  • Fiabilidade: Ao descentralizar o processamento, o risco de falha num único ponto centralizado é reduzido.
  • Segurança: Uma menor transferência de dados pode significar uma menor exposição a possíveis intercepções ou ataques.

2.8.4 Desafios da computação periférica

  • Gestão: A descentralização pode complicar a gestão, atualização e manutenção dos dispositivos.
  • Segurança: Os dispositivos na periferia podem ser mais vulneráveis a ataques físicos ou ciberataques se não estiverem adequadamente protegidos.
  • Interoperabilidade: Garantir que diferentes dispositivos e sistemas funcionem em conjunto de forma eficiente pode ser um desafio.

Em suma, a computação periférica representa uma mudança na forma como os dados são processados e utilizados, aproximando o processamento do local onde os dados são gerados. Embora apresente desafios, tem o potencial de transformar uma variedade de indústrias e aplicações, fornecendo respostas mais rápidas e mais eficientes.

2.9 Aprendizagem automática

A aprendizagem automática é uma subdisciplina da Inteligência Artificial (IA) que se centra no desenvolvimento de algoritmos e modelos que permitem que as máquinas aprendam com os dados e façam previsões ou tomem decisões sem serem explicitamente programadas para executar uma tarefa específica.

2.9.1 Conceitos-chave da aprendizagem automática

  • Dados de treino: Um conjunto de dados utilizado para treinar um modelo. Estes dados fornecem exemplos de entrada e saída que o modelo utiliza para aprender.
  • Modelo: O resultado do processo de formação e representa o que a máquina aprendeu com os dados.
  • Previsão: Uma vez treinado, o modelo pode fazer previsões com base em novos dados que não tenha visto anteriormente.
  • Função de perda: Mede o grau de correspondência entre as previsões do modelo e os dados reais . O objetivo é minimizar esta função durante a formação.

2.9.2 Principais tipos de aprendizagem automática

  • Aprendizagem supervisionada: A máquina é treinada utilizando dados rotulados, ou seja, cada exemplo de treino tem um resultado conhecido. O objetivo é aprender uma função que, dada uma entrada, produz a saída correcta. Exemplos comuns incluem a regressão e a classificação.
  • Aprendizagem não supervisionada: É utilizada quando os dados não são rotulados. O sistema tenta aprender a estrutura subjacente dos dados. Exemplos comuns incluem o agrupamento e a redução da dimensionalidade.
  • Aprendizagem por reforço: Neste tipo, um agente toma decisões interagindo com um ambiente. O agente recebe recompensas ou penalizações com base nas acções que executa, com o objetivo de maximizar a recompensa cumulativa. É comum em áreas como a robótica e os jogos.

2.9.3 Aplicações de aprendizagem automática

  • Reconhecimento de voz: Como os assistentes virtuais (Siri, Alexa).
  • Recomendações: Sistemas de recomendação em plataformas como a Netflix ou a Amazon.
  • Visão por computador: Reconhecimento de imagens e objectos, como no Facebook para marcar pessoas.
  • Publicidade: Prever que anúncios são mais relevantes para um utilizador específico.
  • Deteção de fraudes: Identificação de padrões anómalos nas transacções financeiras.
  • Veículos autónomos: Para processar todos os dados ambientais e tomar decisões em tempo real.

2.9.4 Desafios e considerações na aprendizagem automática

  • Enviesamento e equidade: Se os dados de treino contiverem enviesamentos, o modelo também terá enviesamentos. Isto pode levar a decisões injustas ou discriminatórias.
  • Qualidade dos dados: Os modelos de aprendizagem automática são tão bons quanto os dados em que são treinados. Dados incorrectos ou com ruído podem levar a previsões imprecisas.
  • Interpretabilidade: Muitos modelos, especialmente os complexos, podem atuar como “caixas negras”, o que significa que é difícil compreender como tomam decisões.
  • Sobreajuste: Ocorre quando um modelo é demasiado complexo e aprende o “ruído” nos dados de treino, o que pode levar a um fraco desempenho em novos dados.

Em resumo, a Aprendizagem Automática é uma ferramenta poderosa que permite às máquinas aprender com os dados e melhorar com a experiência. Tem uma vasta gama de aplicações na sociedade moderna, mas também apresenta desafios que têm de ser abordados para garantir a sua utilização ética e eficaz.

2.10 Digital Twin (gémeo digital)

Um gémeo digital é uma representação virtual e dinâmica de um objeto, processo, sistema ou entidade do mundo real. Esta representação digital não só modela a estrutura física do objeto em questão, mas também o seu comportamento e o modo como interage com o seu ambiente e outros sistemas. Os gémeos digitais são actualizados em tempo real e são utilizados para análise, simulação e otimização.

2.10.1 Principais características do gémeo digital

  • Modelização em tempo real: O gémeo digital reflecte o estado atual e o comportamento da sua contraparte física em tempo real.
  • Interligação: Está ligado à sua contraparte física através de sensores, IoT (Internet of Things) e outras tecnologias, recolhendo e enviando dados constantemente.
  • Simulação e análise: Permite simular diferentes cenários, prever falhas ou problemas e otimizar o desempenho.
  • Interação bidirecional: Não só recolhe dados do objeto físico, como também pode enviar instruções ou definições de volta para o objeto real.

2.10.2 Aplicações do gémeo digital

  • Indústria e fabrico: Monitorizar e otimizar a produção, prever a manutenção das máquinas e melhorar a eficiência das cadeias de abastecimento.
  • Infra-estruturas e edifícios: Gerir e otimizar a utilização de energia, prever e planear a manutenção e melhorar a segurança.
  • Transportes: Optimize a gestão e a manutenção de veículos, desde automóveis a aviões.
  • Cidades inteligentes: Gerir e otimizar os recursos e serviços urbanos, do tráfego à distribuição de energia.

2.10.3 Vantagens do gémeo digital

  • Otimização: Melhoria contínua dos processos e sistemas com base em dados em tempo real.
  • Previsão: Antecipe falhas ou problemas antes que eles ocorram, o que pode poupar tempo e dinheiro.
  • Flexibilidade: Simule e teste diferentes cenários sem afetar o sistema físico real.
  • Redução de custos: Ao prever e prevenir problemas, os custos associados a falhas ou ineficiências podem ser evitados.

2.10.4 Desafios do gémeo digital

  • Complexidade: Criar um gémeo digital detalhado e preciso pode ser um processo complexo que requer conhecimentos especializados.
  • Integração: Requer a integração de várias tecnologias, desde sensores a sistemas analíticos.
  • Segurança: A ligação constante entre o gémeo digital e a sua contraparte física pode apresentar vulnerabilidades a ciberataques.
  • Qualidade dos dados: Um gémeo digital só é tão bom quanto os dados que recebe. Dados inexactos ou incompletos podem levar a decisões erradas.

Em resumo, o gémeo digital é uma ferramenta poderosa na era da digitalização e da Internet das coisas, permitindo uma compreensão, análise e otimização mais profundas dos sistemas e processos do mundo real. Embora apresente desafios, a sua adoção pode oferecer vantagens significativas em termos de eficiência, previsibilidade e adaptabilidade.

Na era digital atual, as ferramentas que integram tecnologias avançadas, como a aprendizagem automática e a inteligência artificial, são essenciais para otimizar e proteger os processos empresariais. Uma dessas ferramentas é o Tickelia, uma solução líder especificamente concebida para digitalizar e legalizar as despesas empresariais.

Esta solução não só simplifica a gestão das despesas, como também oferece uma série de funcionalidades inovadoras que a tornam indispensável para os gestores de TI. Com o Tickelia, as empresas podem digitalizar todo o processo de despesas através da sua aplicação móvel ou da interface Web, criar pedidos de adiantamento, configurar fluxos de aprovação a vários níveis e gerir todos os pedidos a partir de um painel de controlo centralizado. Além disso, permite-lhe associar os adiantamentos a conceitos de análise empresarial, melhorando a precisão da gestão.

O Tickelia tem a capacidade de garantir a conformidade e a transparência da política de despesas da empresa. A sua tecnologia avançada de OCR e a IA detetam automaticamente fraudes e despesas duplicadas, protegendo os recursos financeiros das empresas. E para uma gestão ágil, os gestores podem aprovar ou rejeitar despesas em tempo real, independentemente da sua localização.

Em suma, o Tickelia não é apenas uma ferramenta de gestão de despesas, mas uma solução abrangente que combina o melhor da tecnologia moderna para proporcionar eficiência, segurança e transparência na gestão financeira empresarial.

Demonstraçao Tickelia

Descobre outros blogs da Tickelia

Tag
Compartilhar
Gemma Mondéjar
Marketing Júnior no Departamento de Marketing da Inology. Licenciada em Comunicação e Indústrias Culturais pela Universitat de Barcelona.
  • Os posts mais lidos de Glossário
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      Todos os empresários devem estar cientes de uma coisa: vender e ganhar dinheiro são duas coisas muito diferentes. Por outras palavras, o volume de negócios

      ...

      As empresas têm necessidade de apresentar demonstrações e processos contabilísticos financeiros às suas partes interessadas, tais como investidores, credores, clientes e governos. Uma auditoria às

      ...

      Se vive neste mundo, é provável que já tenha utilizado o CVV mais do que uma vez, embora possa não estar totalmente ciente disso. CVV

      ...

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.