Transferência bancária: Características, tipos e métodos de envio

As transferências bancárias são um método de pagamento tradicional e recorrente, pelo que é importante conhecer e identificar os tipos de transferências bancárias disponíveis e o seu funcionamento. Continue a ler para saber mais sobre os tipos de transferências bancárias e como efectuá-las corretamente!

1. Tipos de transferências bancárias

Uma transferência bancária pode ser definida como a operação de envio de dinheiro da conta do remetente para a conta de um destinatário ou beneficiário.

Existem três variáveis ou indicadores que segmentam os tipos de transferências:

  • Área geográfica: consoante o destino da transferência, esta pode ser nacional ou internacional:
    • Doméstica: A transferência do remetente para o destinatário tem lugar no território nacional. Geralmente é gratuita quando os bancos incluídos na transação são os mesmos; se forem diferentes, podem ser cobradas comissões, dependendo do banco.
    • Internacional: O remetente e o beneficiário estão situados em países diferentes. Por conseguinte, a taxa de transferência internacional varia consoante a zona geográfica e a moeda utilizada:
      • Tipo SEPA: Este tipo de transferência a crédito ocorre quando o remetente e o beneficiário estão localizados em países diferentes dentro da zona SEPA (Single Euro Payments Area), que inclui 36 países europeus. A zona SEPA introduziu a utilização do código IBAN em vez do CCC, o que torna as transferências mais rápidas, mais fáceis e mais seguras . As taxas, se existirem, dependem de cada banco.
      • Tipo SWIFT: Neste caso, a transferência internacional tem lugar quando o remetente ou o beneficiário se encontra num país fora da União Europeia, o que implica o envio da transferência numa moeda diferente do euro. Este tipo de transferência implica normalmente o pagamento de uma taxa, que varia consoante o tipo de transferência:
        • Transferência SHA: o custo da taxa é pago em partes iguais entre o remetente e o destinatário da transferência.
        • Transferência OUR: a comissão gerada pela transferência é totalmente suportada pelo remetente.
        • Transferência BEN: Neste tipo de transferência, o custo da comissão é suportado pelo beneficiário da transferência.
  • Periodicidade: O tipo de transferência varia igualmente em função da frequência com que é efectuada:
    • Oportuna: A transferência mais comum, é efectuada num momento específico com a intenção de chegar ao destinatário o mais rapidamente possível.
    • Periódica: Transferências programadas pelo remetente para ocorrerem com uma certa frequência (mensal, anual, etc.).
  • A prazo: O prazo estabelece estes tipos de transferência, dependendo da necessidade e da rapidez com que o dinheiro é necessário:
    • Ordinária: É o prazo de transferência mais comum. Normalmente, demora entre 1 e 2 dias úteis entre bancos nacionais, e a transferência pode até ser instantânea se for efectuada no mesmo banco. Para as transferências internacionais, pode demorar até 5 dias.
    • Urgente: Neste tipo de transferência, o prazo é normalmente de algumas horas, havendo um aumento das comissões por este serviço.
    • Imediata: O envio da transferência bancária é instantâneo, mesmo entre países do espaço SEPA. Para este serviço é cobrada uma comissão adicional.
  Sustentabilidade empresarial: o que é e como pode ser implementada

2. Tempo de envio das transferências bancárias

O tempo necessário para enviar uma transferência bancária é determinado pelo tipo de transferência e pelo prazo atribuído. Eis os principais tipos de transferências e o tempo que demora a chegar ao destinatário:

  • As transferências normais são geralmente efectivas no prazo de um dia útil, dependendo do banco. Se a transferência for efectuada para uma conta no mesmo banco, chega quase instantaneamente.
  • As transferências nacionais urgentes produzem efeitos no próprio dia da sua emissão.
  • As transferências a crédito SEPA normais são efectivas no prazo de um dia útil.
  • As transferências a crédito SEPA imediatas produzem efeitos imediatos.
  • As transferências internacionais (SWIFT) demoram entre 2 e 5 dias.

3. Detalhes para efetuar uma transferência bancária

Quando estiver prestes a efetuar uma transferência bancária, terá de introduzir os seguintes dados para realizar a operação:

  • Escolha o tipo de transferência: Terá de escolher se a transferência bancária a efetuar é pontual ou regular, bem como o período de tempo em que pretende que seja efectuada.
  • Número de conta (IBAN): A conta do destinatário que irá receber os fundos da transferência. É composto por um total de 24 dígitos: 20 caracteres para a conta corrente, 2 caracteres para o código do país da conta e 2 caracteres para o código de controlo.
  • Montante: Montante que pretende transferir para o destinatário.
  • Conceito: Normalmente inclui uma ou duas palavras que definem o motivo da transferência bancária.

É importante que faça uma verificação final dos dados introduzidos para evitar erros e complicações, uma vez que, na maioria dos tipos de transferência, estes não podem ser anulados depois de a ordem de transferência ter sido emiti da pelo banco.

Por conseguinte, se os dados forem introduzidos incorretamente ao efetuar uma transferência, existem algumas opções para solicitar o reembolso:

  • Se tiver os dados de contacto do beneficiário, uma boa opção é estabelecer um canal de contacto para organizar a devolução do montante da transferência.
  • Se não tiver os dados de contacto do beneficiário, a outra opção é contactar o seu banco para que este proceda à devolução do montante da transferência junto do banco do beneficiário, o que se designa por chargeback. Tenha em atenção que, para que o estorno produza efeitos, o beneficiário tem de aceitar a devolução dos fundos da transferência para a conta do destinatário.

Se a transferência for nacional, o prazo máximo para solicitar o cancelamento é de 10 dias úteis. Se a transferência for internacional, não há forma de a cancelar, a menos que o beneficiário seja contactado e devolva voluntariamente o montante da transferência.

4. Como efetuar uma transferência bancária

Depois de ter recolhido os dados necessários para efetuar a transferência, é altura de decidir como efetuar a transferência. Existem as seguintes opções para efetuar esta operação:

  • Online: As transferências online são fáceis, cómodas e rápidas de realizar. Só precisa de ter os dados relevantes do destinatário, entrar na área de cliente do seu banco, introduzir a informação corretamente, prestando especial atenção à introdução dos 24 dígitos que compõem o IBAN da conta do destinatário. Por fim, é necessário seguir algumas instruções simples de segurança para concluir corretamente a transação. Aproveitando as vantagens oferecidas pelas ferramentas digitais, utilizar a aplicação Bizum é uma boa opção, uma vez que está integrada na maioria das instituições bancárias (dentro da banca online), além de oferecer uma usabilidade prática e simples e ter um elevado nível de utilizadores.
  • Agência bancária: Antes do advento das novas tecnologias, esta era a opção mais comum, embora hoje em dia seja impraticável, pois implica deslocações às agências do seu banco e filas de espera, o que torna o processo muito mais lento.
  • Caixa: Esta é uma opção pouco prática, mas não deixa de ser uma opção se não tiver as ferramentas digitais para efetuar a transferência bancária. Para isso, tem de pegar no seu cartão ou caderneta bancária e dirigir-se a uma caixa multibanco do seu banco para fazer a transferência. No entanto, na era da digitalização, esta opção é quase obsoleta e está a tornar-se cada vez menos comum.
transferência bancária

5. Como é que o Tesouro controla certas transferências bancárias?

Na maior parte das vezes, as transferências efectuadas passam despercebidas aos olhos das autoridades fiscais, embora, se forem ultrapassados determinados limites, como o montante das transferências, as autoridades fiscais possam dar o alarme. Estes seriam alguns dos factores que poderiam levar à intervenção do Fisco:

  • Declarações fiscais: Quando são efectuadas transferências bancárias, especialmente se envolverem montantes elevados, podem ter de ser comunicadas na declaração de impostos. Pode tratar-se de transferências internacionais, transferências entre as suas próprias contas ou transferências recebidas de terceiros.
  • Imposto sobre o rendimento: Se receber rendimentos através de transferências bancárias, estes podem ter de ser declarados e tributados. Isto aplica-se tanto a transferências recebidas de clientes ou empregadores como a transferências de outros rendimentos, tais como rendimentos de investimentos.
  • Controlo do branqueamento de capitais: Os bancos são obrigados a comunicar determinadas transferências suspeitas às autoridades fiscais, incluindo as Finanças, como parte dos esforços para evitar actividades criminosas como o branqueamento de capitais.
  • Auditorias e investigações: As Finanças podem utilizar informações provenientes de transferências bancárias no decurso de auditorias e investigações fiscais. Se houver suspeitas de evasão fiscal ou outras irregularidades, as Finanças podem solicitar informações aos bancos sobre transferências efectuadas ou recebidas por uma determinada pessoa ou entidade.
  Sustentabilidade empresarial: o que é e como pode ser implementada

É importante notar que as leis e regulamentos fiscais podem variar de país para país. É aconselhável consultar a regulamentação específica do país ou falar com um consultor financeiro para obter informações mais precisas e detalhadas sobre o impacto que as transferências bancárias podem ter no controlo fiscal efectuado pelas autoridades fiscais ou pelo organismo competente do país onde a transferência é efectuada ou recebida.

6. Segurança e proteção de dados nas transferências bancárias

A segurança e a proteção dos dados pessoais e financeiros são aspectos fundamentais a ter em conta nas transferências bancárias. À medida que cada vez mais pessoas e empresas realizam transacções electrónicas, é crucial garantir a confidencialidade e a integridade das informações sensíveis.

Eis alguns dos métodos e medidas que estão a ser aplicados para reforçar a segurança das transferências bancárias:

  • Encriptação de dados: As instituições financeiras utilizam protocolos de encriptação fortes para proteger as informações transmitidas durante as transferências bancárias. A encriptação converte os dados num formato ilegível para terceiros não autorizados, dificultando o acesso não autorizado.
  • Autenticação e verificação: Os sistemas de transferência bancária requerem normalmente medidas de autenticação fortes para garantir que apenas as pessoas autorizadas podem aceder e efetuar transacções. Estas medidas podem incluir palavras-passe, códigos de segurança, verificação biométrica da identidade (como impressões digitais ou reconhecimento facial) ou outros mecanismos de autenticação de dois factores.
  • Proteção contra a fraude: Os bancos aplicam medidas de segurança para detetar e prevenir actividades fraudulentas nas transferências bancárias. Utilizam algoritmos avançados e sistemas de monitorização para identificar padrões suspeitos ou transacções não autorizadas, permitindo uma ação rápida para parar e mitigar a fraude.
  • Segurança da rede: As instituições financeiras investem em infra-estruturas de rede seguras e em sistemas de proteção contra intrusões para evitar ataques informáticos e garantir a integridade dos dados. Isto envolve a utilização de firewalls, sistemas de deteção de intrusão e outras tecnologias de segurança.
  • Conformidade regulamentar: As instituições financeiras estão sujeitas a regulamentos rigorosos que protegem a privacidade e a segurança dos dados dos seus clientes. Estes regulamentos, como o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) da União Europeia, estabelecem normas e requisitos específicos para a segurança das informações e a proteção dos dados pessoais.
  • Avisos de informação e prevenção: As instituições financeiras também desempenham um papel crucial no aconselhamento dos seus clientes sobre as melhores práticas de segurança para as transferências bancárias. Fornecem recomendações sobre a utilização de palavras-passe fortes, a proteção de dispositivos electrónicos e a identificação e prevenção de possíveis tentativas de fraude.
  Cloud Security: o que é e como escolher as ferramentas adequadas

Em suma, a segurança e a proteção dos dados pessoais e financeiros são essenciais nas transferências bancárias. Os bancos utilizam uma combinação de tecnologias e protocolos de segurança, juntamente com medidas de conformidade, para garantir a confidencialidade, integridade e autenticidade das transacções.

No entanto, embora os bancos implementem este conjunto de medidas de segurança rigorosas, é importante que os utilizadores também tomem precauções para garantir a segurança das suas transacções bancárias. Algumas recomendações incluem:

  • Mantenha os sistemas operativos e as aplicações dos dispositivos actualizados.
  • Evite aceder a contas bancárias em redes Wi-Fi públicas não seguras.
  • Seja cauteloso ao fornecer informações pessoais ou financeiras online.

7. Vantagens da digitalização no sector bancário

Há certas operações bancárias que requerem uma maior complexidade para serem efectuadas corretamente, pelo que é necessário dispor das ferramentas digitais adequadas para automatizar o processo e garantir o seu sucesso.

O Tickelia é a solução end-to-end que ajuda as empresas nesta tarefa, pois oferece uma reconciliação bancária automática das despesas empresariais, quer com cartões de pagamento convencionais, quer com cartões Tickelia VISA.

Outra caraterística relevante desta solução é a integração com sistemas ERP&CRM e software de gestão de salários para facilitar e automatizar o processo contabilístico, evitando erros de cálculo e desencontros.

Realizar uma correcta reconciliação bancária permite-lhe tomar melhores decisões, mais estratégicas, gerir adequadamente os recursos e ter um equilíbrio global das contas da empresa.

Descubra as vantagens que o Tickelia oferece e como lhe permite ter um melhor controlo das suas despesas, clicando no banner seguinte!

Demonstraçao Tickelia

Descobre outros blogs da Tickelia

Tag
Compartilhar
Bea Naveros
Redatora de conteúdo na Inology. Licenciada em Publicidade e Relações Públicas pela Universitat Autònoma de Barcelona.
  • Os posts mais lidos de Digitalização
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      O teletrabalho era praticamente desconhecido em Espanha quando a pandemia de coronavírus eclodiu em março de 2020. As empresas tiveram de fazer grandes esforços para

      ...

      A era digital transformou a forma como as empresas e os profissionais gerem as suas finanças, deixando para trás a tediosa papelada e as intermináveis

      ...

      As empresas estão constantemente à procura de formas de otimizar as suas operações, reduzir custos e melhorar a eficiência. Uma das tendências que tem vindo

      ...

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.