A gestão de tesouraria é um dos pilares fundamentais na gestão financeira de qualquer organização.

Gestão de tesouraria: o que é e quais os principais modelos?

A gestão de tesouraria é um dos pilares fundamentais na gestão financeira de qualquer organização. A sua correta implementação pode ser a diferença entre o crescimento sustentável e os desafios financeiros. Ao longo deste artigo, iremos abordar uma definição precisa do que é a gestão de tesouraria, a sua relevância nas operações empresariais e os modelos mais proeminentes que orientam a sua prática no meio empresarial.

1. O que é a gestão de tesouraria?

A gestão de tesouraria é uma componente essencial da gestão financeira, que se refere à gestão e ao controlo da liquidez de uma empresa ou organização, assegurando a disponibilidade de fundos suficientes para cumprir as obrigações a curto prazo e tirando partido das oportunidades de investimento a curto prazo que surjam.

Abrange diferentes aspetos, tais como:

1.1 Planeamento da Liquidez

O planeamento da liquidez é um dos aspetos essenciais da gestão de tesouraria e refere-se ao processo através do qual uma empresa ou entidade organiza e assegura que disporá de fundos líquidos suficientes para cobrir as suas obrigações financeiras a curto prazo. Por outras palavras, trata-se de garantir que a empresa terá o dinheiro necessário para fazer face aos seus pagamentos quando estes se vencerem.

Isto envolve:

  • Previsões de Cash Flow: Estas previsões envolvem uma análise detalhada das receitas esperadas e das despesas projetadas para um determinado período, com o objetivo de identificar possíveis défices ou excedentes de liquidez.
  • Análise do Ciclo de Caixa: Estudo do tempo que decorre entre o momento em que a empresa efetua uma despesa (por exemplo, compra de materiais) e o momento em que recupera esse dinheiro através das vendas.
  • Identificação de obrigações: Conhecer as datas e valores exatos de todas as obrigações financeiras, tais como pagamentos a fornecedores, salários, impostos, serviço da dívida, entre outros.
  • Acesso a Linhas de Crédito: Em caso de identificação de potenciais falhas de liquidez, é fundamental ter acesso a fontes de financiamento de curto prazo, como linhas de crédito bancárias.
  • Gestão de investimentos de curto prazo: Se for identificado um excedente de liquidez, este dinheiro pode ser investido em instrumentos financeiros de curto prazo, procurando um retorno, mas garantindo que os fundos estarão disponíveis quando necessário.
  • Monitorização Contínua: A liquidez de uma empresa pode ser afetada por uma multiplicidade de fatores, internos e externos. Por isso, é essencial fazer um acompanhamento constante e atualizar as previsões regularmente.
  • Contingência: O planeamento deve também incluir cenários de contingência para situações inesperadas que possam afetar a liquidez.

O planeamento da liquidez é crucial porque garante que a empresa pode operar sem interrupções, cumprindo todos os seus compromissos financeiros e evitando descobertos onerosos ou situações de insolvência.

1.2 Relações com as instituições bancárias

No âmbito da gestão de tesouraria, o “Relacionamento Bancário” refere-se ao conjunto de interações, negociações e colaborações que uma empresa ou entidade mantém com as instituições financeiras. Estas relações são essenciais para garantir o acesso aos recursos financeiros necessários e para otimizar a gestão da liquidez e do fundo de maneio.

As relações com as instituições bancárias na gestão de tesouraria abrangem vários aspetos:

  • Contas Correntes: A gestão e acompanhamento das contas correntes é essencial. É frequente as empresas terem várias contas em diferentes bancos, consoante as suas necessidades operacionais, fiscais ou de investimento.
  • Negociação de prazos e condições: As empresas procuram condições favoráveis em termos de comissões, taxas de juro e outros encargos bancários. Uma boa relação com a instituição financeira pode traduzir-se em condições mais vantajosas para a empresa.
  • Linhas de crédito: São essenciais para financiar o fundo de maneio ou para cobrir défices temporários de liquidez. Relações bancárias sólidas podem facilitar o acesso a estas linhas de crédito em condições favoráveis.
  • Produtos Financeiros: Os bancos oferecem uma variedade de produtos, desde depósitos a prazo a derivados financeiros, que podem ser relevantes para a gestão de tesouraria.
  • Serviços de Cobrança e Pagamento: Os bancos fornecem soluções para automatizar e otimizar os processos de cobrança (como débitos diretos) e pagamento (transferências, pagamentos a fornecedores, folhas de pagamento).
  • Financiamento a longo prazo: Embora a gestão de tesouraria se centre principalmente no curto prazo, as relações com os bancos são também cruciais para negociar empréstimos a longo prazo ou financiamento de investimentos significativos.
  • Gestão de riscos: Os bancos oferecem soluções de gestão de risco, tais como derivados para cobertura de riscos cambiais ou de taxas de juro.
  • Comunicação e Transparência: Uma comunicação aberta e transparente com as instituições financeiras é essencial, especialmente em situações de crise ou quando se preveem alterações significativas na situação financeira da empresa.

As relações bancárias são uma pedra angular da gestão de tesouraria. As decisões sobre os bancos com que trabalhar, a forma de diversificar as relações financeiras e a forma de negociar com estas instituições podem ter um impacto significativo na saúde financeira e operacional da empresa. Por conseguinte, é fundamental que os gestores de tesouraria estabeleçam e mantenham relações fortes e benéficas com os bancos.

1.3 Gestão de excedentes

A gestão dos excedentes de liquidez refere-se ao tratamento e administração eficientes dos fundos que excedem as necessidades imediatas de liquidez de uma empresa ou entidade. Por outras palavras, são os recursos que não são necessários para as operações do dia a dia ou para cumprir obrigações financeiras a curto prazo e que podem, portanto, ser utilizados para investimentos temporários com o objetivo de gerar rendimentos.

Envolve:

  • Identificação de Excedentes: Através da previsão de fluxos de caixa e da análise do ciclo de caixa, as empresas podem determinar quanto dinheiro têm disponível para além das suas necessidades operacionais.
  • Investimentos de curto prazo: Uma vez identificado o excedente, o objetivo é investir esses fundos em instrumentos financeiros de curto prazo que ofereçam um retorno. Estes podem incluir depósitos a prazo, contas remuneradas, bilhetes do tesouro, entre outros.
  • Nível de risco: É essencial determinar o nível de risco que a empresa está disposta a correr. Algumas empresas optarão por investimentos muito seguros, mas com retornos mais baixos, enquanto outras podem estar dispostas a assumir mais riscos em busca de retornos mais elevados.
  • Liquidez do investimento: Mesmo que se trate de excedentes, é fundamental garantir que os fundos investidos estejam disponíveis em caso de necessidade. Por esta razão, as empresas tendem a optar por instrumentos com boa liquidez.
  • Otimização fiscal: Em Espanha, tal como noutros países, existem considerações fiscais relacionadas com a rentabilidade dos investimentos. As empresas devem ter em conta estes aspetos para otimizar a carga fiscal relacionada com os juros ou lucros obtidos.
  • Monitorização contínua: As condições do mercado financeiro podem mudar. Por conseguinte, é essencial que as empresas monitorizem constantemente os seus investimentos e estejam preparadas para adaptar a sua estratégia à medida que as circunstâncias se alteram.
  • Relações com Bancos e Instituições Financeiras: Uma boa relação com bancos e outras instituições financeiras pode oferecer às empresas acesso a oportunidades de investimento mais atrativas ou a condições mais favoráveis.

Em suma, procura garantir que os fundos que não são imediatamente necessários são utilizados de forma eficiente, gerando retornos e contribuindo para a saúde financeira da empresa. Trata-se de um equilíbrio entre a obtenção de rendimentos e a manutenção da liquidez e da segurança do capital.

1.4 Gestão e controlo dos riscos

A “Gestão e Controlo de Riscos” na gestão de tesouraria refere-se ao conjunto de estratégias, ferramentas e procedimentos implementados por uma empresa ou entidade para identificar, avaliar e mitigar os riscos financeiros a que está exposta. Estes riscos, se não forem devidamente geridos, podem afetar a liquidez, a rentabilidade e, em última análise, a viabilidade de uma empresa.

Aborda vários aspetos:

  • Risco de Liquidez: Refere-se ao risco de uma empresa não ser capaz de cumprir as suas obrigações financeiras a curto prazo. A gestão deste risco implica a manutenção de reservas de liquidez adequadas, o acesso a linhas de crédito e uma previsão exata dos fluxos de tesouraria.
  • Risco cambial: As empresas que operam em mercados internacionais estão expostas a flutuações cambiais. A gestão deste risco pode envolver a utilização de instrumentos derivados, tais como contratos a prazo ou opções, para fixar as taxas de câmbio futuras.
  • Risco de taxa de juro: As empresas com dívida estão expostas a flutuações nas taxas de juro, especialmente se essa dívida for de taxa variável. Os swaps de taxas de juro ou outros derivados financeiros podem ser utilizados para mitigar este risco.
  • Risco de crédito: Refere-se ao risco de um cliente ou contraparte não cumprir as suas obrigações de pagamento. A gestão deste risco envolve a avaliação da solvabilidade dos clientes, a definição de limites de crédito e o acompanhamento contínuo das contas a receber.
  • Risco de mercado: As empresas podem estar expostas a flutuações nos preços das mercadorias ou das matérias-primas que afetam os seus custos. A utilização de futuros, opções ou outros derivados pode ajudar a gerir este risco.
  • Risco operacional: Inclui os riscos associados a falhas de sistemas, processos ou pessoas. Embora não seja exclusivo da tesouraria, a sua gestão é crucial para evitar problemas de liquidez ou perdas financeiras.
  • Risco do país: refere-se ao risco associado à realização de negócios num determinado país, incluindo fatores políticos, económicos e regulamentares. É especialmente relevante para empresas com operações significativas no estrangeiro.
  • Instrumentos de gestão do risco: As instituições bancárias e financeiras em Espanha oferecem uma variedade de ferramentas e produtos para ajudar as empresas a gerir estes riscos, desde seguros a derivados financeiros.

1.5 Regras e regulamentos

As regras e regulamentos referem-se ao conjunto de leis, regulamentos, diretrizes e normas que as empresas devem cumprir em relação às suas atividades financeiras e de tesouraria. Estes regulamentos podem ser concebidos para garantir a transparência, proteger os investidores, assegurar a estabilidade do sistema financeiro ou para outros fins.

No contexto espanhol, a gestão de tesouraria é influenciada por uma série de normas e regulamentos, entre os quais se destacam os seguintes:

  • MIFID (Markets in Financial Instruments Directive): Trata-se de uma diretiva europeia que regula os mercados de instrumentos financeiros e a prestação de serviços de investimento. Tem como objetivo aumentar a transparência, proteger os investidores e evitar abusos de mercado.
  • SEPA (Área Única de Pagamentos em Euros): Trata-se de uma iniciativa que visa unificar os mercados de pagamentos em euros, tornando os pagamentos transfronteiriços tão fáceis como os pagamentos nacionais. Afeta as transferências, os débitos diretos e os cartões de crédito na zona euro.
  • Regulamentos do Banco de Espanha: O Banco de Espanha, enquanto entidade reguladora, estabelece vários regulamentos relacionados com a gestão de tesouraria, que vão desde os requisitos de capital à comunicação de transações financeiras.
  • Lei sobre a Prevenção do Branqueamento de Capitais e do Financiamento do Terrorismo: Esta lei estabelece medidas e procedimentos para prevenir o branqueamento de capitais, incluindo a obrigação de as empresas efetuarem determinados controlos e relatórios.
  • Regulamentos sobre Derivados Financeiros: As empresas que utilizam derivados para gerir riscos devem estar cientes dos regulamentos relacionados, que podem influenciar a forma como estas transações são contabilizadas e comunicadas.
  • Regulamentação fiscal: A Agência Tributária Espanhola estabelece regulamentos sobre a forma como determinadas transações de tesouraria devem ser tratadas para efeitos fiscais, incluindo deduções de juros, tributação de ganhos e perdas em transações financeiras, entre outros.
  • Normas Internacionais de Informação Financeira (IFRS): Embora sejam normas contabilísticas e não específicas da tesouraria, as IFRS têm um impacto significativo na forma como as operações de tesouraria são registadas e comunicadas, especialmente as relacionadas com instrumentos financeiros.
  • Regulamentos de proteção de dados: A gestão de tesouraria envolve o tratamento de dados financeiros sensíveis, pelo que as empresas devem cumprir regulamentos como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) da UE.

As empresas que operam em Espanha devem estar continuamente atualizadas sobre estas regras e regulamentos para garantir a conformidade e evitar possíveis sanções. A gestão de tesouraria, que está no centro das operações financeiras de uma empresa, é particularmente sensível às alterações e atualizações do quadro regulamentar. É essencial que as empresas disponham de especialistas na matéria, capazes de interpretar e aplicar corretamente esta regulamentação na sua gestão financeira quotidiana.

1.6 Gestão de pagamentos e cobranças

O conjunto de atividades, processos e ferramentas que uma empresa utiliza para gerir e controlar as suas entradas e saídas de caixa. É uma função essencial da tesouraria, uma vez que garante que a empresa pode cumprir as suas obrigações financeiras e receber os fundos que lhe são devidos em tempo útil.

No contexto espanhol, a Gestão de Pagamentos e Recebimentos na tesouraria engloba vários aspetos:

  • Processamento de pagamentos: Trata-se de gerir e executar todos os pagamentos que a empresa deve efetuar, sejam eles salários, pagamentos a fornecedores, impostos, serviços, entre outros. Em Espanha, muitas empresas utilizam sistemas bancários eletrónicos ou plataformas especializadas para automatizar e centralizar estes pagamentos.
  • Gestão de cobranças: Refere-se às atividades relacionadas com a receção dos pagamentos dos clientes. Inclui a emissão de faturas, o acompanhamento das contas a receber, a gestão das remessas e, em caso de não pagamento, a eventual instauração de processos de cobrança.
  • Ferramentas de pagamento eletrónico: Com a digitalização, ferramentas como transferências bancárias eletrónicas, pagamentos com cartão, débitos diretos (recibos) e outras soluções digitais são comuns na gestão de pagamentos e cobranças em Espanha.
  • SEPA: Como já foi referido, o Espaço Único de Pagamentos em Euros (SEPA) simplifica as transferências bancárias transfronteiriças em euros, tornando os pagamentos entre países da zona euro tão fáceis como os pagamentos nacionais.
  • Gestão do incumprimento: Infelizmente, as empresas deparam-se por vezes com situações em que os clientes não pagam atempadamente ou não pagam de todo.
  • Otimização do fluxo de caixa: Uma gestão eficiente dos pagamentos e cobranças contribui para melhorar o fluxo de caixa, assegurando a existência de liquidez suficiente para as operações do dia a dia e para investir em oportunidades de negócio.
  • Controlo e segurança: É essencial garantir que os pagamentos e as cobranças são efetuados de forma segura, minimizando o risco de fraude ou erros. Isto implica a existência de controlos internos, a realização de reconciliações bancárias e a utilização de tecnologias seguras.
  • Relação com os Bancos: Uma boa relação com os bancos facilita a gestão dos pagamentos e cobranças, uma vez que se podem obter melhores condições, acesso a ferramentas de gestão mais avançadas e soluções personalizadas de acordo com as necessidades da empresa.
A “Gestão e Controlo de Riscos” na gestão de tesouraria refere-se ao conjunto de estratégias, ferramentas e procedimentos implementados por uma empresa ou entidade para identificar, avaliar e mitigar os riscos financeiros a que está exposta. Estes riscos, se não forem devidamente geridos, podem afetar a liquidez, a rentabilidade e, em última análise, a viabilidade de uma empresa.

2. Quais são os principais modelos de gestão de tesouraria?

É uma função crucial em qualquer empresa, pois assegura a gestão eficiente da liquidez e do fundo de maneio, bem como a gestão dos riscos financeiros. Existem diferentes modelos e abordagens de gestão de tesouraria, sendo que a escolha de um ou outro pode depender da dimensão da empresa, do sector em que opera, da sua estrutura financeira, entre outros fatores. De seguida, apresentam-se alguns dos principais modelos de gestão de tesouraria:

2.1 Modelo Centralizado

Refere-se a uma abordagem em que todas as decisões e operações relacionadas com a tesouraria estão concentradas numa única unidade ou departamento central, em vez de estarem dispersas por diferentes unidades ou subsidiárias da organização. Este modelo caracteriza-se pela consolidação da gestão dos recursos financeiros e das operações relacionadas num único ponto central. Vejamos as suas principais características e vantagens:

2.1.1 Características do modelo centralizado

  • Ponto Único de Decisão: Todas as decisões importantes relacionadas com a tesouraria, tais como investimentos, financiamentos, gestão de risco, entre outras, são tomadas num único local.
  • Consolidação de saldos: Todos os saldos das contas bancárias das diferentes unidades ou regiões são consolidados numa conta central, permitindo uma visão global da liquidez da empresa.
  • Operações Padronizadas: As operações e processos de tesouraria são uniformes em toda a organização, facilitando a gestão, o controlo e a auditoria.
  • Gestão Centralizada de Riscos: A gestão dos riscos financeiros, como o risco cambial ou de taxa de juro, é efetuada de forma centralizada, permitindo uma estratégia coerente e coordenada.

2.1.2 Vantagens do modelo centralizado

  • Economias de escala: Ao consolidar as operações, a empresa pode obter melhores condições nas negociações com bancos, prestadores de serviços financeiros e outros atores.
  • Visão Global: Existe uma visão clara e unificada da situação financeira de toda a empresa, o que facilita a tomada de decisões estratégicas.
  • Redução de custos: A centralização pode levar à redução de custos, evitando redundâncias, reduzindo transações e otimizando a utilização de recursos.
  • Melhoria do controlo: A existência de um único ponto de gestão permite um controlo mais rigoroso e eficaz das operações e dos riscos financeiros.
  • Eficiência operacional: A normalização dos processos e sistemas pode conduzir a uma maior eficiência e rapidez das operações.

2.2 Modelo descentralizado

Refere-se a uma abordagem em que as decisões e operações relacionadas com a tesouraria são tomadas de forma autónoma em diferentes unidades, filiais ou regiões da organização, em vez de serem geridas a partir de um único ponto ou departamento central. Cada uma destas unidades tem a sua própria responsabilidade e autonomia para a gestão dos seus recursos financeiros e operações conexas.

2.2.1 Características do modelo descentralizado

  • Autonomia nas decisões: As diferentes unidades ou filiais tomam decisões de tesouraria com base nas suas próprias necessidades e condições locais.
  • Contas bancárias independentes: As unidades podem ter as suas próprias contas bancárias e relações com instituições financeiras locais.
  • Operações adaptadas às condições locais: As operações e decisões são adaptadas às condições do mercado local, regulamentos específicos, necessidades comerciais e outros fatores particulares.
  • Gestão local do risco: Os riscos financeiros, como o risco cambial ou de taxa de juro, são geridos localmente, adaptados às particularidades e exposições de cada unidade.

2.2.2 Vantagens do modelo descentralizado

  • Flexibilidade: As unidades têm a capacidade de se adaptar rapidamente à evolução das condições do ambiente local.
  • Adaptabilidade: A tomada de decisões com base nas condições e necessidades locais pode conduzir a operações mais eficazes e eficientes nesses contextos específicos.
  • Empoderamento local: As unidades ou filiais sentem-se mais empoderadas e responsáveis pela sua própria gestão financeira, o que pode levar a uma maior motivação e empenhamento.

2.2.3 Desvantagens do modelo descentralizado

  • Falta de visão global: Pode ser difícil obter uma visão consolidada da situação financeira de toda a empresa.
  • Ineficiências e redundâncias: A falta de coordenação entre as unidades pode levar a redundâncias nas operações e a custos adicionais.
  • Risco de divergência: As unidades podem seguir caminhos financeiros divergentes, o que pode levar a inconsistências na gestão global da empresa.
  • Dificuldade de controlo e auditoria: Pode ser mais difícil estabelecer controlos uniformes e realizar auditorias num ambiente descentralizado.

Na prática, muitas empresas optam por modelos híbridos que combinam elementos de centralização e descentralização, procurando equilibrar as vantagens de ambas as abordagens e adaptar-se às necessidades específicas da sua estrutura e funcionamento.

2.3 Modelo de Tesouraria Híbrido

O Modelo Híbrido de Tesouraria combina elementos dos modelos centralizado e descentralizado de gestão de tesouraria. Trata-se de uma forma intermédia que procura potenciar as vantagens de ambos os modelos para melhor se adaptar às necessidades e características específicas da empresa. Neste modelo, certas funções ou decisões são centralizadas, enquanto outras são descentralizadas, consoante o que for mais conveniente para a organização.

2.3.1 Características do Modelo Híbrido de Tesouraria

  • Decisões estratégicas centralizadas: As decisões de alto nível ou estratégicas, como a definição das políticas financeiras globais, a gestão dos grandes financiamentos ou a gestão central do risco, são normalmente tomadas num ponto central.
  • Operações quotidianas descentralizadas: As operações quotidianas relacionadas com a tesouraria, como a gestão da liquidez a curto prazo ou a relação com os bancos locais, são geridas ao nível das unidades individuais ou das regiões.
  • Tecnologia unificadora: Frequentemente, é utilizado um sistema tecnológico unificado ou uma plataforma de gestão de tesouraria que permite uma visão global das operações e uma gestão local.
  • Políticas e procedimentos consistentes: Embora as operações possam ser descentralizadas, existe consistência nas políticas e procedimentos a seguir, estabelecidos pelo centro.

2.3.2 Vantagens do modelo híbrido de tesouraria

  • Flexibilidade e adaptabilidade: Este modelo combina a adaptabilidade local do modelo descentralizado com a eficiência e a coerência do modelo centralizado.
  • Otimização dos recursos: Permite tirar partido das economias de escala em certas operações e, ao mesmo tempo, responder rapidamente às necessidades locais.
  • Equilíbrio de controlo: mantendo uma visão global e um controlo estratégico, permite a autonomia da gestão operacional a nível local.
  • Redução dos riscos: A combinação de uma visão central e de uma gestão local pode ajudar a identificar e a atenuar os riscos de forma mais eficaz.

2.3.3 Desafios do modelo híbrido de tesouraria

  • Coordenação: É necessária uma coordenação efetiva entre o centro e as unidades descentralizadas para garantir a coerência e a eficiência.
  • Definição clara dos papéis: É essencial estabelecer claramente quais as funções que são centralizadas e quais as que não são, para evitar confusões e sobreposições.
  • Comunicação efetiva: A comunicação entre as diferentes partes da organização é essencial para que o modelo híbrido funcione corretamente.

Em suma, procura combinar o melhor dos mundos centralizado e descentralizado, adaptando-se às características e necessidades de cada empresa. É particularmente útil para organizações que têm uma presença significativa em múltiplas regiões ou mercados com características diferentes, mas que também procuram manter a consistência e o controlo a nível global.

2.4 O Modelo Pooling

O “Modelo Pooling” na gestão de tesouraria refere-se a uma técnica financeira utilizada pelas empresas para gerir a sua liquidez e otimizar a utilização dos seus recursos monetários. Através do “Pooling”, os saldos de várias contas bancárias, que podem pertencer a diferentes unidades ou filiais de uma empresa, são consolidados para terem uma visão unificada e geridos como um único saldo global. Esta técnica é especialmente útil para empresas com operações em vários países ou regiões.

2.4.1 Tipos de Pooling

  • Pooling físico (concentração de caixa): Nesta abordagem, o dinheiro é transferido fisicamente entre contas para ser consolidado numa conta principal. Os saldos das contas subsidiárias são “varridos” para uma conta central, deixando um saldo pré-determinado nas contas de origem.
  • Pooling fictício: Em vez de transferir fisicamente dinheiro entre contas, os saldos são virtualmente compensados para determinar um saldo líquido. Não há movimentos efetivos de fundos entre contas, mas é efetuada uma compensação nocional para calcular os juros sobre o saldo líquido consolidado.

2.4.2 Vantagens do modelo de agrupamento

  • Otimização da liquidez: Permite às empresas ter uma visão consolidada da sua liquidez e utilizá-la de forma mais eficiente.
  • Redução de custos: Ao consolidar os saldos, os custos bancários podem ser reduzidos e as condições de negociação com os bancos podem ser melhoradas.
  • Gestão de juros melhorada: Ao gerir centralmente a liquidez, é possível compensar os saldos devedores com saldos credores, reduzindo assim os juros pagos e/ou maximizando os juros recebidos.
  • Simplicidade administrativa: Facilita a gestão e reconciliação de contas, reduzindo a necessidade de transferências internas e proporcionando uma visão unificada dos saldos.
  • Flexibilidade: Proporciona maior flexibilidade para movimentar fundos entre contas e unidades de negócio de acordo com as necessidades operacionais e financeiras.

2.4.3 Desafios do modelo de pooling

  • Aspetos regulamentares: Nem todos os países permitem práticas de pooling, especialmente o pooling nocional, devido a regulamentos bancários ou de controlo de capitais.
  • Gestão de diferentes moedas: Ao gerir contas em diferentes moedas, o agrupamento pode ser complicado devido às flutuações das taxas de câmbio.
  • Requisitos tecnológicos: São necessários sistemas e plataformas adequados para gerir e monitorizar as operações de pooling.

Em conclusão, o modelo de pooling é uma ferramenta valiosa para as empresas que procuram otimizar a sua gestão de liquidez. No entanto, é essencial ter em conta os aspetos regulamentares e operacionais aquando da implementação desta técnica em diferentes jurisdições e contextos empresariais.

A sua correta implementação pode ser a diferença entre o crescimento sustentável e os desafios financeiros.

2.5 Modelo de compensação

O “Modelo de compensação” na gestão de tesouraria é um método utilizado pelas empresas para reduzir múltiplas obrigações financeiras entre várias partes a uma única obrigação líquida para cada parte envolvida. Por outras palavras, em vez de múltiplos pagamentos e recebimentos entre entidades, estes são compensados para determinar um saldo líquido a pagar ou a receber.

A compensação é normalmente utilizada por empresas com várias filiais ou unidades de negócio, especialmente em contextos internacionais.

2.5.1 Como funciona a compensação

Imaginemos três filiais A, B e C:

  • A deve a B 100 euros e a C 50 euros.
  • B deve a A 40 euros e C 30 euros.
  • C deve a A 10 euros e a B 20 euros.

Em vez de efetuar seis transações separadas, as obrigações são compensadas e determina-se que:

  • A pagará 40 euros líquidos a B e 40 euros a C.
  • B receberá 40 euros de A e pagará 10 euros a C.
  • C receberá 40 euros de A e 10 euros de B.

Desta forma, seis transações foram reduzidas a apenas três.

2.5.2 Vantagens do modelo de compensação.

  • Redução das transações: O número de transações é reduzido, o que simplifica a administração e reduz os custos associados.
  • Otimização da liquidez: Ao reduzir o fluxo bruto de pagamentos, a liquidez é utilizada de forma mais eficiente.
  • Redução do risco: Em contextos internacionais, a compensação pode ajudar a reduzir o risco cambial, minimizando o montante de divisas a converter.
  • Poupança nos custos bancários: Menos transações significam geralmente menos comissões e outros custos bancários.
  • Melhoria do planeamento financeiro: Ao consolidar os pagamentos e os recebimentos, é mais fácil prever e gerir os fluxos de caixa.

2.5.3 Desafios do modelo de compensação

  • Questões regulamentares: Tal como acontece com o agrupamento, nem todos os países permitem práticas de compensação, especialmente quando envolvem entidades de diferentes jurisdições.
  • Requisitos tecnológicos e administrativos: Para implementar um sistema de compensação, especialmente em grande escala, é necessário dispor de sistemas adequados e de um processo administrativo bem estabelecido.
  • Discrepâncias potenciais: As entidades envolvidas têm de chegar a acordo sobre os valores e saldos a compensar, o que pode levar a possíveis discrepâncias ou desacordos.

O modelo de compensação é um instrumento valioso para otimizar a gestão da tesouraria e reduzir custos e riscos. No entanto, como acontece com qualquer ferramenta financeira, é essencial ter em conta as questões operacionais e regulamentares aquando da sua aplicação.

2.6 Modelo de gestão de riscos

O modelo de gestão de risco no contexto da tesouraria refere-se ao conjunto de práticas, ferramentas e políticas que uma empresa emprega para identificar, avaliar, priorizar e mitigar os riscos financeiros a que está exposta, especialmente os relacionados com a gestão dos seus fluxos de caixa e ativos líquidos.

Os riscos de tesouraria podem ter diversas origens, tais como flutuações das taxas de juro, variações cambiais, falta de liquidez, risco de crédito de contraparte, entre outros. A gestão destes riscos é essencial para assegurar a estabilidade financeira da empresa e proteger os seus ativos.

2.6.1 Os principais componentes do Modelo de Gestão de Riscos de Tesouraria incluem

  • Identificação do Risco: Determinar quais os riscos financeiros específicos que a empresa enfrenta nas suas operações quotidianas e estratégicas.
  • Avaliação e medição: Uma vez identificados os riscos, é vital medir o seu potencial impacto e probabilidade. Ferramentas como o Value at Risk (VaR) são frequentemente utilizadas para quantificar o risco em termos monetários.
  • Estratégias de mitigação: Estabelecer políticas e ferramentas para reduzir ou eliminar os riscos identificados. Estas podem incluir a utilização de instrumentos derivados (tais como forwards, opções ou swaps), a diversificação de ativos e fontes de financiamento, ou a implementação de políticas de cobertura.
  • Controlo e revisão: A gestão do risco é um processo dinâmico. Os riscos e o ambiente em que a empresa opera estão em constante mudança, pelo que é crucial rever e ajustar as estratégias de gestão de risco numa base regular.
  • Comunicação e formação: Assegurar que todas as partes relevantes da organização compreendem os riscos e a forma como estes estão a ser geridos. Isto pode envolver a formação do pessoal e a comunicação regular sobre a exposição ao risco e as medidas tomadas.
  • Integração com outros sistemas: A gestão do risco de tesouraria deve ser alinhada e integrada com outros sistemas de gestão do risco da empresa, tais como os riscos operacionais, comerciais ou estratégicos.
  • Utilização da tecnologia: As soluções tecnológicas modernas, como os sistemas de gestão de tesouraria (TMS) e as plataformas de análise de risco, podem facilitar a identificação, a medição e a gestão dos riscos em tempo real.

A adoção de um modelo de gestão de riscos robusto e bem estruturado é essencial para qualquer empresa que pretenda proteger-se contra as incertezas do ambiente financeiro e assegurar uma gestão eficiente e segura dos seus recursos monetários.

2.7 Modelo Baseado em Tecnologia

O Modelo Baseado na Tecnologia, no contexto da gestão de tesouraria (e de muitas outras áreas de negócio), refere-se à utilização intensiva e estratégica de soluções tecnológicas para melhorar, automatizar e otimizar processos, operações e decisões relacionadas com a gestão financeira e de tesouraria de uma organização.

Na tesouraria, tal implica a incorporação de sistemas e ferramentas que facilitem a gestão da liquidez, pagamentos, cobranças, investimentos, riscos financeiros, entre outros aspetos fundamentais desta área.

2.7.1 As principais características e componentes do modelo de base tecnológica na tesouraria são

  • Sistemas de Gestão de Tesouraria (SGT): São plataformas integradas que ajudam as empresas a gerir a sua tesouraria de forma mais eficiente, fornecendo uma visão consolidada da liquidez, gerindo pagamentos e cobranças e facilitando o planeamento financeiro.
  • Automatização: Muitas tarefas repetitivas e de rotina, como a reconciliação bancária ou a execução de pagamentos, podem ser automatizadas através de soluções tecnológicas, libertando tempo para tarefas mais estratégicas.
  • Análise e previsão: As soluções tecnológicas modernas permitem às empresas analisar grandes conjuntos de dados para identificar tendências, fazer projeções e modelar cenários futuros, o que é crucial para o planeamento financeiro.
  • Integração: Um modelo baseado em tecnologia é frequentemente integrado noutros sistemas empresariais, como ERPs ou CRMs, permitindo um fluxo de informação mais fluido e uma melhor tomada de decisões.
  • Segurança: As soluções tecnológicas modernas fornecem ferramentas avançadas para garantir a segurança das transações e a proteção de dados sensíveis, como a criptografia, a autenticação multifatorial e protocolos de segurança robustos.
  • Acesso em tempo real: A tecnologia permite que os tesoureiros e outras partes interessadas acedam a informações financeiras atualizadas em tempo real, o que é crucial para uma tomada de decisões rápida e baseada em dados.
  • Utilização de tecnologias emergentes: Para além das ferramentas tradicionais, as empresas podem explorar tecnologias emergentes como a cadeia de blocos, a inteligência artificial ou a aprendizagem automática para melhorar ainda mais as suas operações de tesouraria.

A adoção de um modelo orientado para a tecnologia na gestão de tesouraria pode trazer inúmeros benefícios, como o aumento da eficiência operacional, uma melhor tomada de decisões baseada em dados, a redução de erros e riscos e uma visão mais clara e atualizada da situação financeira da empresa. No entanto, é essencial escolher as soluções corretas e garantir que estas se integram bem nos processos e necessidades específicas da organização.

A incorporação de soluções tecnológicas no domínio da tesouraria tornou-se essencial para as empresas que procuram otimizar os seus processos, garantir a precisão e melhorar a tomada de decisões. Uma dessas soluções inovadoras é a Tickelia, uma plataforma digital concebida para simplificar e otimizar a gestão das despesas das empresas.

As principais características da Tickelia na gestão de despesas:

  • Facilidade de utilização: Com Tickelia, os empregados podem comunicar qualquer despesa a partir do seu dispositivo móvel. Uma simples fotografia do recibo ou da fatura é suficiente para registar a despesa, eliminando a necessidade de guardar e organizar recibos físicos.
  • Tecnologia avançada: A solução utiliza a tecnologia OCR+ICR para ler e digitalizar a informação contida nas faturas, mesmo os que são escritos à mão. Esta funcionalidade garante a captura exata de até 18 campos de despesas.
  • Segurança e armazenamento na nuvem: Tickelia garante que todos os dados são protegidos e armazenados de forma segura na nuvem, proporcionando às empresas tranquilidade e acesso fácil às informações sempre que necessário.
  • Validade Legal: Graças à sua homologação pela Administração Fiscal, os recibos digitalizados através da Tickelia têm total validade legal, eliminando a necessidade de manter os originais em papel.
  • Integração Bidirecional: Tickelia não funciona de forma isolada. Ele pode ser integrado com diversas soluções, como ERPs, softwares de folha de pagamento, cartões, entre outros, permitindo a completa centralização e automação dos processos financeiros.
  • Automatização das tarefas financeiras: Com Tickelia, as empresas podem digitalizar totalmente tarefas como a liquidação, a contabilidade, o controlo orçamental, etc., reduzindo o tempo e o esforço tradicionalmente despendidos nestas tarefas manuais.

A gestão de tesouraria no ambiente empresarial atual exige soluções adaptadas aos desafios modernos. Com a crescente procura de processos mais rápidos, precisos e seguros, soluções como a Tickelia representam o futuro da gestão de despesas, permitindo que as empresas se concentrem na sua atividade principal enquanto a tecnologia trata das complexidades da gestão financeira.

Automatize a gestão de despesas e viagens de empresa com Tickelia

Descobre outros blogs da Tickelia

Tag
Compartilhar
Laura Sierra
Redactora de conteúdos na Inology. Licenciada em Comunicação Social e Jornalismo pela Universidad de La Sabana.
  • Os posts mais lidos de Fraude interno
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.