el papel del CIO en la empresa

10 termos que todos os CIO devem conhecer

O papel do CIO transformou-se para além de ser o principal estratega tecnológico. Atualmente, os CIOs estão na vanguarda da revolução digital, liderando a transformação das suas organizações. No entanto, para acompanhar o ritmo, os CIOs devem estar cientes de uma série de termos e conceitos-chave que definem a essência da tecnologia da informação atual. Quais são estes termos e porque são tão cruciais para o sucesso de um CIO?

1. O que é um CIO?

Um CIO (Chief Information Officer) é um executivo sénior de uma organização cujo principal objetivo é supervisionar e dirigir todas as estratégias e operações relacionadas com as tecnologias da informação (TI). O seu trabalho é fundamental para garantir que a organização utiliza a tecnologia de forma eficaz e eficiente para atingir os seus objectivos estratégicos.

O papel do CIO inclui frequentemente a tomada de decisões sobre investimentos em tecnologia, a implementação de novos sistemas e soluções, a gestão da segurança da informação e a redução dos riscos de cibersegurança. Nos últimos anos, esta função evoluiu para além das operações tradicionais de TI e inclui agora responsabilidades como a transformação digital, a inovação e a estratégia empresarial.

O CIO trabalha frequentemente em estreita colaboração com outros líderes da organização para alinhar a estratégia de TI com a estratégia empresarial. Isto pode incluir a implementação de tecnologias emergentes, como a inteligência artificial (IA), a aprendizagem automática, a nuvem e a cadeia de blocos, e a transformação de operações e modelos de negócio para serem mais digitais e orientados para os dados.

Os CIOs são responsáveis por criar e manter uma equipa de TI competente, garantindo que a organização tem os recursos humanos necessários para implementar e gerir as suas tecnologias. Neste sentido, a gestão da mudança e as competências de liderança são fundamentais para o papel do CIO.

2. Quando é que o termo CIO começou a ser utilizado?

O termo “Chief Information Officer” ou CIO surgiu na década de 1980. Naqueles anos, à medida que a informática e a tecnologia da informação começaram a desempenhar um papel cada vez mais vital nas operações comerciais, as empresas começaram a reconhecer a necessidade de um executivo sénior que pudesse supervisionar estes aspectos cruciais.

Inicialmente, o CIO era responsável pelos sistemas e infra-estruturas de TI da empresa. No entanto, com o desenvolvimento da tecnologia e da economia digital, o papel do CIO evoluiu consideravelmente. Atualmente, um CIO não só supervisiona a infraestrutura de TI, como também é um estratega que pode alinhar a tecnologia com os objectivos comerciais da organização e orientar a sua transformação digital.

3. Porque é que o papel de um CIO se transformou tanto?

A transformação das funções de um CIO está diretamente relacionada com a rápida evolução da tecnologia e a sua crescente importância em todas as facetas do negócio. Eis algumas das principais razões:

  • Digitalização e transformação digital: ao longo das últimas décadas, as empresas de todos os sectores tiveram de se adaptar à era digital. Isto significou uma dependência crescente da tecnologia para a eficiência operacional, a interação com os clientes e a tomada de decisões baseadas em dados. O CIO tem desempenhado um papel crucial nesta transformação, não só implementando tecnologia, mas também liderando a mudança a nível organizacional.
  • Tecnologias emergentes: O surgimento de novas tecnologias, como a inteligência artificial, a nuvem, a cadeia de blocos e a Internet das Coisas (IoT), exigiu uma evolução do papel do CIO. Estas tecnologias apresentam novas oportunidades, mas também novos desafios e riscos, e é da responsabilidade do CIO compreender, adotar e implementar estas tecnologias de forma segura e eficaz.
  • Cibersegurança: A crescente ameaça de ciberataques trouxe a segurança da informação para a linha da frente. O CIO é fundamental para estabelecer e manter estratégias e políticas de cibersegurança para proteger os activos digitais da organização.
  • Alinhar a tecnologia com o negócio: Anteriormente, a tecnologia da informação era frequentemente vista como uma função de apoio. Atualmente, a tecnologia é uma parte integrante da estratégia empresarial. O CIO deve trabalhar em estreita colaboração com outros executivos para alinhar as iniciativas de TI com os objectivos empresariais.
  • Evolução dos dados: Com o surgimento da era dos dados, as empresas estão a recolher e a utilizar mais dados do que nunca. Os CIOs desempenham um papel crucial na gestão, no controlo e na utilização destes dados para obter informações úteis.

Estes factores contribuíram para que o papel do CIO se tornasse um dos mais dinâmicos e cruciais nas empresas modernas.

4. Termos que todos os CIO devem conhecer

Agora que já percebeu porque é que é essencial saber o que é um CIO, como evolui e como CIO, é crucial manter-se atualizado com as últimas tendências e conceitos no campo da tecnologia da informação. Eis alguns termos importantes que todos os CIO devem conhecer:

4.1 Transformação digital

A transformação digital no domínio de um CIO refere-se à reinvenção de uma organização através da utilização de tecnologia digital para melhorar a forma como a organização funciona e fornece valor aos seus clientes. Vai para além da mera digitalização, que envolve apenas a conversão de informação analógica em formato digital. A transformação digital é uma mudança fundamental que envolve a integração da tecnologia digital em todas as áreas da organização, alterando a forma como opera e fornece valor aos seus clientes.

No contexto de um CIO, a transformação digital pode envolver uma variedade de actividades, tais como:

  • Desenvolver uma estratégia digital: O CIO deve liderar o desenvolvimento de uma estratégia digital que se alinhe com os objectivos de negócio da organização. Isto pode envolver a identificação de oportunidades para melhorar as operações ou a experiência do cliente através da tecnologia digital.
  • Implementar novas tecnologias: A transformação digital envolve frequentemente a adoção de novas tecnologias. O CIO é responsável por selecionar e implementar estas tecnologias de forma eficaz.
  • Gerir a mudança: A adoção de novas tecnologias pode ser um desafio. O CIO deve gerir a resistência à mudança e garantir que os funcionários estão preparados para adotar novas formas de trabalho.
  • Segurança e privacidade dos dados: À medida que a organização se torna mais digital, torna-se mais vulnerável a ameaças à segurança. O CIO tem de garantir que a organização está protegida e que os dados dos clientes estão seguros.
  • Análise de dados e tomada de decisões com base em dados: A transformação digital envolve frequentemente a utilização de dados para informar a tomada de decisões. O CIO pode liderar a adoção da análise de dados e garantir que a organização está a tirar partido dos dados de forma eficaz.
  Recibo e Fatura: o que são e para que servem?

Em resumo, a transformação digital no domínio de um CIO consiste em liderar e gerir a mudança na organização através da integração estratégica de tecnologias digitais.

4.2 Cibersegurança

Um CIO precisa claramente de saber o que é a cibersegurança, que se refere à prática de proteger os sistemas, redes, software e dados da organização contra ataques digitais. Estes ciberataques têm geralmente como objetivo aceder, alterar ou destruir informações confidenciais, perturbar as operações comerciais normais ou extorquir dinheiro.

O papel do CIO na cibersegurança inclui:

  • Definir a estratégia de cibersegurança: O CIO deve liderar a criação de uma estratégia de cibersegurança que tenha em conta os riscos e ameaças específicos para a organização. Esta estratégia deve estar alinhada com os objectivos empresariais e ter em conta os regulamentos e normas do sector.
  • Gerir os riscos de cibersegurança: O CIO é responsável pela identificação e gestão dos riscos de cibersegurança. Isto pode envolver a implementação de tecnologias de segurança, a realização de avaliações de risco e a criação de um plano de resposta a incidentes.
  • Formação e consciencialização: O CIO deve garantir que todos os funcionários da organização compreendem os riscos de cibersegurança e sabem como atuar em segurança. Isto pode implicar formação regular e a criação de uma cultura de cibersegurança.
  • Governação da cibersegurança: O CIO deve estabelecer políticas e procedimentos para a cibersegurança e garantir que são seguidos em toda a organização.
  • Resposta a incidentes: Na eventualidade de um incidente de cibersegurança, o CIO deve estar preparado para liderar a resposta da organização, minimizando os danos e restabelecendo as operações normais o mais rapidamente possível.

Em suma, a cibersegurança para um CIO implica uma liderança ativa para proteger a organização das ciberameaças e garantir a segurança da informação.

4.3 Inteligência artificial (IA)

No contexto de um CIO, a Inteligência Artificial (IA) refere-se a sistemas ou máquinas que têm a capacidade de simular a inteligência humana. Isto implica aprender com a experiência, compreender a linguagem, reconhecer padrões, formular raciocínios lógicos e tomar decisões. O objetivo da IA é permitir que as máquinas executem tarefas que normalmente exigiriam a inteligência humana.

Para um CIO, a IA tem uma série de implicações importantes:

  • Automatização de processos: a IA pode automatizar uma grande variedade de processos empresariais, o que pode aumentar a eficiência, reduzir os erros e libertar os funcionários para se concentrarem em tarefas mais estratégicas.
  • Tomada de decisões baseada em dados: Os sistemas de IA podem analisar grandes volumes de dados para extrair padrões e conhecimentos, que podem informar a tomada de decisões e proporcionar uma vantagem competitiva.
  • Interação com o cliente: A IA pode potenciar a interação com o cliente através de chatbots e assistentes virtuais, proporcionando um serviço ao cliente 24 horas por dia, 7 dias por semana e personalizando as interacções.
  • Segurança: os sistemas de IA podem ajudar a detetar e prevenir ameaças à segurança, analisando padrões de comportamento e detectando anomalias.
  • Inovação: A IA pode ser uma fonte de inovação, permitindo às empresas desenvolver novos produtos e serviços ou melhorar os já existentes.

Um CIO deve compreender as capacidades e limitações da IA e a forma como esta pode ser aplicada na sua organização. Isto implica avaliar as oportunidades, implementar as soluções, gerir os riscos e garantir que as questões relacionadas com a IA, como a privacidade e a transparência, são tratadas de forma ética.

CIO

4.4 Aprendizagem automática

No domínio dos CIO, a aprendizagem automática (ML) é um subcampo da Inteligência Artificial que se centra no desenvolvimento de algoritmos e modelos estatísticos que permitem aos computadores melhorar o seu desempenho numa tarefa específica com a experiência, ou seja, com a exposição a mais dados ao longo do tempo. No fundo, é uma forma de “ensinar” as máquinas a aprender com os dados e a tomar decisões ou fazer previsões com base em padrões.

No contexto das responsabilidades de um CIO, a aprendizagem automática tem várias aplicações importantes:

  • Análise preditiva: os modelos de aprendizagem automática podem ser utilizados para prever comportamentos ou tendências futuras com base em dados históricos. Isto pode ser útil numa variedade de contextos, desde a previsão da procura de produtos até à identificação de potenciais ameaças à cibersegurança.
  • Personalização: Os algoritmos de aprendizagem automática podem ajudar a personalizar a experiência do utilizador ou do cliente. Por exemplo, podem ser utilizados para recomendar produtos ou serviços com base no comportamento anterior de um utilizador.
  • Automatização de processos: algumas tarefas que anteriormente exigiam intervenção humana podem ser automatizadas com a ajuda da tecnologia ML, o que pode aumentar a eficiência e reduzir os erros.
  • Deteção de anomalias: os algoritmos de aprendizagem automática podem ser muito eficazes na deteção de anomalias ou desvios nos dados, o que pode ser útil para identificar potenciais fraudes ou intrusões de cibersegurança.

Um CIO deve compreender como a aprendizagem automática pode beneficiar a sua organização e liderar a sua implementação de forma eficaz. Isto envolve não só aspectos técnicos, mas também considerações éticas e de privacidade, uma vez que a aprendizagem automática envolve frequentemente a utilização de grandes quantidades de dados, por vezes sensíveis.

4.5 Computação em nuvem

No contexto de um CIO, a computação em nuvem refere-se ao modelo de prestação de serviços de TI que permite o acesso a pedido a recursos informáticos partilhados (como servidores, armazenamento, bases de dados, redes, software, aplicações, etc.) através da Internet. Este modelo permite que as organizações evitem os custos e a complexidade de possuir e manter a sua própria infraestrutura de TI.

Para um CIO, a computação em nuvem tem várias implicações importantes:

  • Economia de escala e flexibilidade: A computação em nuvem permite que as organizações aumentem ou diminuam rapidamente os seus recursos de TI com base nas suas necessidades, pagando apenas pelo que utilizam.
  • Acesso remoto: Com os recursos alojados na nuvem, os funcionários podem aceder a sistemas e dados a partir de qualquer lugar com uma ligação à Internet, o que pode facilitar a colaboração e o trabalho remoto.
  • Custos reduzidos: Ao transferir sistemas e dados para a nuvem, as organizações podem evitar os custos de hardware, instalação, manutenção e actualizações.
  • Resiliência e recuperação de desastres: Os fornecedores de serviços na nuvem têm frequentemente vários centros de dados redundantes, o que pode ajudar a garantir a disponibilidade dos sistemas e facilitar a recuperação de dados em caso de desastres.
  • Inovação e rapidez: Ao adotar a computação em nuvem, as organizações podem tirar partido das mais recentes tecnologias e serviços e podem implementar novas aplicações e serviços mais rapidamente.
  Plano financeiro: um guia completo para o sucesso financeiro empresarial

Por outro lado, a adoção da nuvem também pode apresentar desafios em termos de segurança, privacidade e conformidade regulamentar, que um CIO deve gerir cuidadosamente. Isto pode incluir a seleção de fornecedores de serviços na nuvem, a implementação de controlos de segurança, a gestão da privacidade dos dados e a garantia de conformidade com os regulamentos relevantes.

4.6 Blockchain

A tecnologia Blockchain é uma forma de base de dados distribuída que armazena dados em blocos ligados de forma segura utilizando criptografia. Cada bloco contém um certo número de transacções e está ligado ao bloco anterior, formando assim uma cadeia. A principal caraterística da cadeia de blocos é que, uma vez que os dados são registados num bloco, não podem ser alterados sem alterar todos os blocos subsequentes e obter o acordo da rede, o que proporciona uma elevada segurança e integridade dos dados.

Para um CIO, a tecnologia de cadeia de blocos tem uma série de implicações potenciais:

  • Transacções seguras: as cadeias de blocos podem ser utilizadas para registar e verificar transacções de forma segura e transparente, o que pode ser útil numa variedade de contextos, desde as finanças à cadeia de abastecimento.
  • Contratos inteligentes: Os contratos inteligentes são programas que são executados numa cadeia de blocos quando determinadas condições são cumpridas. Podem ser utilizados para automatizar uma variedade de processos empresariais, reduzindo a necessidade de intermediários.
  • Registo imutável: A cadeia de blocos pode fornecer um registo imutável e verificável de dados, que pode ser útil para a rastreabilidade e verificação da autenticidade.
  • Descentralização: A cadeia de blocos é inerentemente descentralizada, o que pode aumentar a resiliência e reduzir a dependência de partes fiáveis.
  • Criptomoedas: A aplicação mais conhecida da cadeia de blocos é a Bitcoin, uma criptomoeda. As criptomoedas podem ter implicações na forma como as organizações efectuam e recebem pagamentos.

Um CIO deve compreender como a tecnologia de cadeia de blocos pode beneficiar a sua organização e liderar a sua implementação de forma eficaz. Isto envolve não só aspectos técnicos, mas também considerações legais e regulamentares, uma vez que a adoção da tecnologia de cadeia de blocos pode apresentar novos desafios nestas áreas.

4.7 Grandes volumes de dados

O termo Big Data refere-se a conjuntos de dados que são tão grandes, rápidos ou complexos que as técnicas tradicionais de processamento de dados não são suficientes para os tratar. Os grandes dados podem incluir dados estruturados (como números e datas), dados não estruturados (como texto e imagens) e dados semi-estruturados (como XML ou JSON).

Os “3 V’s” são frequentemente utilizados para descrever o Big Data:

  • Volume: A quantidade de dados gerados pode ser enorme. Pode provir de uma variedade de fontes, como transacções comerciais, registos de redes sociais, sensores IoT, entre outros.
  • Velocidade: Os dados são gerados a uma velocidade impressionante e devem ser processados em tempo real ou quase em tempo real para serem úteis.
  • Variedade: Os dados podem ser provenientes de uma grande variedade de fontes e podem estar numa variedade de formatos.

Para um CIO, o Big Data oferece uma série de oportunidades:

  • Análise avançada: Com as ferramentas certas, os Big Data podem ser analisados para identificar padrões, tendências e correlações que podem informar a tomada de decisões e proporcionar uma vantagem competitiva.
  • Personalização: O Big Data pode ser utilizado para personalizar a experiência do utilizador ou do cliente, com base na análise de comportamentos e preferências anteriores.
  • Operações eficientes: A análise de Big Data pode revelar ineficiências nas operações e sugerir formas de as melhorar.
  • Inovação de produtos/serviços: As informações obtidas através da análise de Big Data podem servir de base para o desenvolvimento de novos produtos ou serviços ou para a melhoria dos já existentes.
  • Gestão de riscos: Os megadados podem ser utilizados para identificar e mitigar riscos, por exemplo, na área da cibersegurança.

A gestão dos megadados coloca desafios, incluindo a necessidade de uma tecnologia de armazenamento e processamento adequada, de competências analíticas e de considerações relativas à privacidade e segurança dos dados. Como CIO, é importante liderar a estratégia de Big Data da organização, que inclui a identificação de oportunidades de Big Data, a seleção e implementação de tecnologia adequada e a garantia de uma gestão de dados segura e ética.

4.8 Internet das coisas (IoT)

A Internet das Coisas (IoT) refere-se à rede de dispositivos físicos, veículos, aparelhos e outros objectos que são incorporados com sensores, software e tecnologia de rede, permitindo-lhes ligar e trocar dados através da Internet.

Os dispositivos IoT podem ir desde dispositivos de consumo, como relógios inteligentes ou termóstatos, a dispositivos industriais, como sensores numa linha de produção ou monitores num campo de cultivo. Cada um destes dispositivos pode recolher dados e depois enviá-los através da rede para um sistema informático central, outros dispositivos ou aplicações, onde estes dados podem ser processados e analisados para tomar acções ou decisões.

Para um CIO, a IoT apresenta uma série de oportunidades e desafios:

  • Eficiência operacional: os dispositivos IoT podem recolher e analisar dados em tempo real, o que pode permitir às organizações otimizar as suas operações, melhorar a eficiência e reduzir os custos.
  • Novos produtos e serviços: As empresas podem utilizar a IdC para desenvolver novos produtos e serviços ou melhorar os já existentes. Por exemplo, uma companhia de seguros pode oferecer políticas personalizadas com base em dados recolhidos de dispositivos IoT nos automóveis dos clientes.
  • Tomada de decisões com base em dados: Os dados recolhidos pelos dispositivos IoT podem informar a tomada de decisões numa variedade de áreas, desde a gestão da cadeia de abastecimento ao serviço ao cliente.
  • Cibersegurança: Como os dispositivos IoT podem ser pontos de acesso a redes empresariais, é vital ter uma estratégia de segurança IoT robusta para proteger os dados e evitar vulnerabilidades.
  • Privacidade dos dados: Com a IoT, as empresas podem recolher grandes quantidades de dados, por vezes sensíveis. Por conseguinte, tem de gerir estes dados de forma segura e em conformidade com as leis de privacidade.
  • Infraestrutura: Os dispositivos IoT podem gerar grandes volumes de dados que têm de ser armazenados, processados e analisados. Isto pode exigir uma infraestrutura significativa, bem como soluções de armazenamento e análise de dados.
  Quais os tipos de faturas que existem em Portugal?

Como CIO, é crucial compreender e abordar estes aspectos da IoT. Isto implica liderar a estratégia de IoT da organização, implementar a tecnologia de forma eficaz, gerir o risco e garantir a conformidade com as leis de privacidade e proteção de dados.

4.9 DevOps

DevOps é um conjunto de práticas e de filosofia que procura a unificação do desenvolvimento de software (Dev) e da operação de TI (Ops), com o objetivo de encurtar o ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas e proporcionar a entrega contínua de software de alta qualidade.

Em termos mais concretos, DevOps refere-se à estreita colaboração entre as equipas de desenvolvimento e de operações, juntamente com a garantia de qualidade (QA) e a segurança, para melhorar a eficiência e a qualidade dos produtos de software. Trata-se de quebrar os silos organizacionais e promover uma cultura de colaboração e transparência.

Eis algumas das principais características do DevOps:

  • Integração Contínua / Entrega Contínua (CI/CD): Com o DevOps, o código é regularmente integrado e verificado através de testes automatizados, permitindo que os problemas sejam detectados e corrigidos mais rapidamente. Uma vez que o código tenha passado nos testes, é implementado na produção numa base contínua.
  • Automatização: Uma parte fundamental do DevOps é a automatização dos processos manuais de teste, integração e implementação. Isto poupa tempo e reduz o risco de erro humano.
  • Infraestrutura como código (IaC): No DevOps, a infraestrutura de TI é gerida da mesma forma que o software: pode ser versionada, testada e automatizada. Isto permite às organizações gerir as suas infra-estruturas de forma mais eficiente e consistente.
  • Monitorização e feedback contínuos: Com o DevOps, a monitorização e a recolha de feedback são parte integrante do processo. Isto permite que as equipas respondam rapidamente aos problemas e melhorem constantemente o produto.
  • Cultura de colaboração: Talvez o aspeto mais importante do DevOps seja a cultura de colaboração e transparência que promove. As equipas de desenvolvimento e de operações trabalham em conjunto e partilham a responsabilidade pelo produto de software, o que pode melhorar a eficiência e a satisfação da equipa.

Para um CIO, a adoção do DevOps pode significar mudanças significativas na forma como as equipas trabalham. Mas também pode proporcionar benefícios significativos, incluindo maior velocidade de desenvolvimento, maior qualidade do software, melhor capacidade de resposta à mudança e maior satisfação do cliente e da equipa. É crucial que um CIO lidere a transição para o DevOps e apoie a adoção das novas ferramentas e da cultura colaborativa que isso implica.

4.10 Ágil

Agile, ou metodologia ágil, é uma abordagem ao desenvolvimento de software que enfatiza a flexibilidade, a colaboração e a capacidade de reação à mudança. Surgiu como uma alternativa às metodologias de desenvolvimento tradicionais, que são frequentemente mais rígidas e orientadas para o planeamento a longo prazo.

O Manifesto Ágil, criado em 2001, estabelece os quatro princípios fundamentais do desenvolvimento ágil:

  • Indivíduos e interacções acima de processos e ferramentas.
  • Software que funciona com documentação extensa.
  • Colaboração com o cliente em vez de negociação contratual.
  • Responder à mudança em vez de seguir um plano.

Estes princípios traduzem-se em práticas como o desenvolvimento iterativo e incremental, em que o software é desenvolvido em pequenas partes que são entregues e revistas regularmente. Isto permite que as equipas respondam às mudanças nos requisitos ou no mercado de forma mais rápida e eficiente.

A colaboração entre os membros da equipa de desenvolvimento e as partes interessadas também é realçada, permitindo uma melhor comunicação e compreensão dos requisitos.

Existem várias metodologias ágeis específicas, como o Scrum, o Kanban e o Extreme Programming (XP), cada uma com o seu próprio conjunto de práticas e regras, mas todas seguem os princípios fundamentais do Manifesto Ágil.

Para um CIO, a adoção de uma metodologia ágil pode exigir uma mudança de mentalidade e uma reformulação dos processos e estruturas organizacionais. No entanto, pode proporcionar benefícios significativos em termos de velocidade de desenvolvimento, qualidade do software, satisfação do cliente e adaptabilidade à mudança. Um CIO que adopte a metodologia Agile deve promover uma cultura de colaboração, aprendizagem e melhoria contínuas na sua organização.

5. Papel na procura de ferramentas tecnológicas

Uma das funções essenciais de um CIO (Chief Information Officer) é procurar, avaliar e implementar novas ferramentas e tecnologias que possam ajudar a melhorar a eficiência, a segurança e a competitividade da organização.

Para além de procurar e avaliar ferramentas de segurança, o CIO também tem um papel importante na criação de políticas de segurança, na promoção de uma cultura de segurança dentro da organização e na gestão da resposta a incidentes de segurança quando estes ocorrem.

É importante notar que a procura de novas ferramentas tecnológicas não se limita à segurança. O CIO também deve estar atento às tendências tecnológicas e aos avanços noutras áreas, como a análise de dados, a inteligência artificial, a aprendizagem automática, o desenvolvimento de software e outras áreas que possam ser relevantes para a organização. Ao adotar novas ferramentas e tecnologias, o CIO pode ajudar a organização a manter-se competitiva e a adaptar-se a um ambiente empresarial em constante mudança.

Em termos de segurança, o CIO tem a responsabilidade de garantir que a infraestrutura tecnológica da organização está protegida contra ameaças internas e externas. Isto implica selecionar e utilizar ferramentas que cumpram as normas de segurança, incluindo encriptação, autenticação forte, proteção contra malware e outras medidas de proteção de dados.

Um exemplo de uma ferramenta que cumpre as mais elevadas normas de segurança é o Tickelia, uma solução tecnológica para a gestão de viagens de negócios e pedidos de reembolso de despesas, uma vez que possui as certificações ISO 27001 e 9001.

A gestão de despesas em si é uma tarefa que requer a recolha de dados muito importantes para a empresa, razão pela qual os CIO devem procurar ferramentas que cumpram os melhores requisitos de segurança. Com o Tickelia pode ter a tranquilidade de trabalhar com uma solução segura, uma vez que cumpre o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que é o regulamento europeu relativo à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento dos seus dados pessoais e à livre circulação desses dados na UE e no Espaço Económico Europeu.

Se quiser saber mais sobre como pode aplicar o Tickelia à sua empresa, solicite uma demonstração clicando no seguinte banner.

Demonstraçao Tickelia

Descobre outros blogs da Tickelia

Tag
Compartilhar
Bea Naveros
Redatora de conteúdo na Inology. Licenciada em Publicidade e Relações Públicas pela Universitat Autònoma de Barcelona.
  • Os posts mais lidos de Glossário
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      Todos os empresários devem estar cientes de uma coisa: vender e ganhar dinheiro são duas coisas muito diferentes. Por outras palavras, o volume de negócios

      ...

      As empresas têm necessidade de apresentar demonstrações e processos contabilísticos financeiros às suas partes interessadas, tais como investidores, credores, clientes e governos. Uma auditoria às

      ...

      Se vive neste mundo, é provável que já tenha utilizado o CVV mais do que uma vez, embora possa não estar totalmente ciente disso. CVV

      ...

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.