Fintech

8 tendências Fintech para 2023

À medida que 2023 começa, é oportuno analisar as tendências fintech que estão em curso e aquelas que ainda estão por surgir. Estas tendências estão a impulsionar o setor da tecnologia financeira, conduzindo-o em direção à inminente revolução digital que irá impactar globalmente todo o setor. No artigo a seguir apresentamos as 8 tendências mais relevantes.

1. Fintech: evolução constante do setor financeiro

Antes de analisarmos as tendências no setor fintech, é essencial avaliar o papel de liderança dessas tecnologias na transformação do setor financeiro. A principal meta das fintechs é a digitalização das finanças e de seus processos, sendo fortemente apoiadas não apenas pela comunidade financeira, mas também pela comunidade tecnológica.

Estes projetos visam realizar qualquer operação de serviços financeiros por meio de novas tecnologias, como a gestão de poupanças através de dispositivos móveis, por exemplo.

Estes avanços não trazem apenas vantagens para os utilizadores, mas também para as empresas, além das instituições bancárias e financeiras. Graças à fintech, as empresas contam com aplicações e sistemas que racionalizam e facilitam o controlo das despesas comerciais.

Os bancos também estão aproveitando toda essa transformação oferecida pela fintech. Oferecer aos clientes maior independência para operar, maior conveniência na gestão de produtos ou serviços, e a capacidade de realizar pagamentos por meio de dispositivos móveis são algumas das possibilidades proporcionadas pela fintech no setor bancário.

A seguir, analisaremos as tendências no setor fintech que estão causando maior impacto em 2023. Examinaremos as vantagens que trazem consigo e os aspetos que se espera que melhorem a partir deste ano.

2. Tendências da Fintech em 2023

Como mencionado anteriormente, neste artigo iremos explorar as tendências mais promissoras no setor fintech. Desde aplicações diretas ao setor financeiro e bancário até sistemas de trabalho que possibilitam a conectividade global com apenas um dispositivo ligado à Internet.

2.1 Banca Aberta

O primeiro conceito no âmbito da fintech é a banca aberta. Esta é uma nova maneira de operar para os clientes do banco e implica que terceiros possam acessar as informações dos utilizadores – desde que tenham a sua autorização – para operar sem a necessidade de aprovação do banco. Um exemplo tornará isto mais claro:

Suponha que uma pessoa decide comprar um carro novo e escolhe o financiamento como método de pagamento. Anos atrás, esta pessoa precisaria ir ao seu banco e solicitar um empréstimo, com o qual pagaria ao concessionário o valor total do carro. Esta pessoa pagaria o dinheiro de volta ao seu banco em prestações.

Com a banca aberta, este exemplo muda completamente. Agora, essa pessoa pode financiar o carro diretamente com o concessionário – desde que o concessionário ofereça essa possibilidade – e é este que tem acesso às informações financeiras do cliente, sem a necessidade de intervenção do banco.

Resumindo, o cliente bancário é o proprietário das suas informações e pode permitir que outras empresas acessem essas informações, com o objetivo de adquirir produtos, serviços, etc. A ideia é eliminar intermediários e ser capaz de operar de maneira mais direta.

2.1.1 Vantagens da banca aberta

Vejamos as vantagens do sistema bancário aberto:

  • Personalização de produtos e serviços. Uma das principais vantagens da banca aberta é a capacidade de personalizar ofertas de serviços e produtos com base nos seus interesses. Como os utilizadores autorizam a partilha das suas informações, têm o controlo sobre com quem as partilham, resultando em ofertas pesonalizadas.
  • Mais ofertas de produtos. Em relação ao ponto anterior, os utilizadores recebem um maior número de ofertas de produtos e serviços, proporcionando-lhes mais opções para escolher de acordo com as suas necessidades e experiências.
  • Custos mais baixos. A banca aberta é projetada para ser executada através da tecnologia direta, reduzindo o número de intermediários e, por conseguinte, diminuindo os custos dos produtos e serviços oferecidos.
  • Informação empacotada. Através da banca aberta, os utilizadores podem consolidar todas as suas informações financeiras (como contas, cartões, serviços e produtos) numa única aplicação. Isso proporciona um maior controlo e facilidade de operação.
  • Facilitação para o cliente. Com a integração de informações, os utilizadores têm uma experiência mais fuilda nas suas operações financeiras. Tudo está conectado e acessível ao utilizador, facilitando a realização de transações financeiras personalizadas.
  • Segurança melhorada. Apesar de incialmente parecer contraditório, a banca aberta promove a segurança ao implementar protocolos rigorosos, como autenticação multipla para garantir transaçõoes seguras. O setor financeiro está a avançar tecnologicamente, acompanhado por um constante aprimoramento das medidas de segurança.

2.1.2 Melhorias no sistema bancário aberto

Após examinar as vantagens proporcionadas pela banca aberta, é imprtante entender o que se espera deste sistema no setor fintech e em que áreas estão sendo feitos esforços, uma vez que ainda existem certas dúvidas sobre a partilha de informações financeiras dos utilizadores.

Um aspecto a considerar é a necessidade de estabelecer uma regulamentação sólida e rigorosa que permita a partilha de dados financeiros, sempre com a autorização explícita e informada do proprietário desses dados. Isto é essencial para evitar que terceiros adquiram informações e as utilizem de maneira indevida.

Neste sentido, estão sendo implementadas medidas para garantir que não haja ambiguidades quanto às condições sob as quais os bancos autorizam e concedem acesso às informações de seus clientes a terceiros. Estas condições incluem a quantidade de informação a ser partilhada e a regulamentação de fornecedores externos, garantindo assim o controlo e a segurança para evitar o uso indevido.

Tendências fintech

2.2 Sandbox ou Caixa de areia

Outra tendência no setor da fintech é a caixa de areia. Para explicar este conceito, utilizaremos o símile do seu nome. Sandbox, traduzido para português, significa sandpit. Uma caixa de areia é um local onde as crianças podem brincar em segurança.

Se imaginarmos uma caixa de areia onde as crianças brincam com um risco muito pequeno de acidentes, podemos extrapolá-la para o setor fintech, entendendo uma caixa de areia como um espaço seguro para testar projetos, minimizando os riscos.

2.2.1 Vantagens das caixas de areia

  • Minimização dos riscos. Este é o aspeto mais interessante das caixas de areia. Graças a estes espaços de teste, que oferecem grande segurança, os criadores de projetos de inovação no setor fintech podem testar os seus projetos, software ou aplicações sem preocupações, sempre com a ajuda de supervisores, que são responsáveis pelo apoio e monitorização do projeto em todos os momentos.
  • Apoio burocrático e regulamentar. As caixas de areia oferecem toda a ajuda disponível para garantir que os projetos cumpram a legislação actual. Neste sentido, os promotores podem dedicar todos os seus esforços ao próprio projeto, sem ter de contribuir com demasiados recursos para a burocracia, um fardo que muitas vezes pode causar o fracasso de um projeto de inovação.
  • Simulação realista. Graças à segurança oferecida pelas caixas de areia, os projetos podem simular o seu desempenho e actividade de forma muito próxima da realidade. Este aspeto oferece a possibilidade de configurar aplicações com a máxima precisão para serem executadas num ambiente fintech real, fora da sandbox ou caixa de areia.
  • Apoio educacional. A sandbox, além de oferecer a segurança e os recursos necessários para o desenvolvimento de projetos, também proporciona apoio para ensinar o funcionamento e o conteúdo de novas actividades.

2.2.2 Aspectos para melhorar das caixas de areia

Esta tendência oferece muitas possibilidades para alcançar a transformação digital do setor financeiro. Por esta razão, está em curso um trabalho para proporcionar uma regulamentação mais forte para estes espaços de teste seguros.

O principal objetivo é desenvolver regulamentos para mitigar ainda mais os riscos dos projetos fintech e apoiar e cobrir a aplicação da caixa de areia regulamentar. O objectivo é fazer progressos na globalização destes recursos.

2.3 Inteligência Artificial aplicada a fintechs

Quando se fala de tecnologia atualmente, é impossível deixar o conceito de Inteligência Artificial (IA) fora da conversa. Este recurso tornou-se o Santo Graal do desenvolvimento tecnológico e a grande maioria das empresas quer deitar as mãos a alguns dos serviços oferecidos pela IA.

O setor fintech não é exceção. A maior vantagem que a IA oferece é a eficiência e optimização de recursos. Graças aos algoritmos complexos que uma IA é capaz de executar, a carga de trabalho, o tempo e, acima de tudo, o custo, são reduzidos. Mas como é que a IA ajuda os projetos fintech? Há duas respostas a esta pergunta: segurança e eficácia.

2.3.1 Segurança no setor fintech

Em primeiro lugar, é mais do que provado que qualquer processo que seja automatizado e digitalizado através da IA aumenta exponencialmente os níveis de segurança. Isto acontece porque um dos fatores de erro mais importantes em qualquer processo, o erro humano, é eliminado.

A IA trabalha com processos fechados, completamente objetivos, nos quais elementos que podem levar à confusão não interferem. É por isso que, dentro do setor fintech, que lida com grandes quantidades de informação sensível e dados valiosos, a automatização de processos é procurada para alcançar a máxima segurança.

Alguns dos usos da IA no campo da segurança no setor fintech são a prevenção da fraude e do incumprimento e a análise de risco em empréstimos e investimentos.

  • Prevenção de Fraudes

Um dos aspectos mais importantes no setor financeiro é proteger a economia contra a fraude. A IA já tem sido usada a este respeito há anos e estabeleceu-se, graças às fintechs, como uma solução de segurança para diferentes tipos de fraude, como a fraude de cartão de crédito.

Este tipo de fraude tem sido agravado pelo aumento das compras de comércio electrónico e transações online. Mas graças aos sistemas de segurança oferecidos pelas soluções fintech, em que a IA é implementada, estas fraudes estão a ser evitadas. As IAs analisam o comportamento dos utilizadores, hábitos de compra, locais frequentados e montantes. Se estes são afetados de forma invulgar, os mecanismos de segurança são ativados, alertando para possíveis fraudes.

Outro tipo de fraude muito comum é a chamada fraude interna que tem lugar dentro das próprias empresas, no momento de conciliar as despesas. Em muitos casos, a má prática conduz a perdas para as companhias. Quando estes controlos são efetuados manualmente, é muito provável que este tipo de fraude não seja detetada, mas graças à IA e à automatização que oferece, o controlo das despesas internas é muito mais preciso.

  • Prevenção de incumprimentos

Outro aspeto a ser tido em conta pelas instituições financeiras é a prevenção da inadimplência. Mais uma vez, os algoritmos de IA podem analisar o comportamento das contas dos clientes de um banco e prever a possibilidade de inadimplência com meses de antecedência, dando aos bancos a possibilidade de reagir a tempo.

  • Análise de risco de crédito e de investimento

Finalmente, outra actividade importante na qual a IA é aplicada no setor fintech é o empréstimo e o investimento. Estas são duas operações que comportam um certo risco tanto para um cliente como para uma instituição financeira.

As IAs, graças à sua capacidade de gerir um grande volume de dados, podem analisar que nível de risco existe em cada transação deste tipo. De facto, tal como na prevenção da fraude e do incumprimento, estes sistemas são capazes de prever com vários meses de antecedência o comportamento dos investimentos e a viabilidade das concessões de crédito.

Demonstraçao Tickelia

2.3.2 Eficácia do processo

As IAs são programadas para executar algoritmos com um grande volume de dados num tempo muito curto, superando de longe qualquer ser humano. Além disso, a tendência é que a IA seja capaz de oferecer mais do que apenas análise de dados.

Graças à fintech, os utilizadores do banco podem realizar transacções mais rapidamente e convenientemente com dispositivos como o Alexa da Amazon. Este dispositivo é um exemplo claro do que é uma IA, um software capaz de analisar os comandos de uma pessoa e, através de comandos de voz, executar esses comandos.

Este aspeto também pode ser encontrado nos websites de alguns bancos, onde os clientes podem obter informações ou fazer transacções através de um sistema de mensagens instantâneas entre uma pessoa e uma IA.

Mas nós podemos ir ainda mais longe e a IA pode oferecer aconselhamento financeiro. O que até agora estava nas mãos dos funcionários do banco, graças às tecnologias fintech, as IAs são capazes de oferecer as soluções financeiras que melhor se adaptam aos utilizadores. Tudo isto, baseado no estudo dos rendimentos, despesas recorrentes e do comportamento geral do cliente, oferecendo um plano optimizado e personalizado para alcançar o objetivo económico de cada cliente.

2.4 Grandes dados

Outra tendência que continua a aumentar no setor fintech é a Grandes Dados. Um conceito diretamente relacionado com a IA, uma vez que, sem Grandes Dados, as inteligências artificiais não seriam capazes de funcionar.

A título de explicação resumida, Big Data é o termo usado para se referir a todos os dados que são gerados diariamente com base no uso da tecnologia e na digitalização da nossa vida quotidiana. Estes dados são utilizados pelas empresas para conhecer os seus utilizadores e para lhes oferecer serviços e produtos personalizados.

Como vimos acima, este aspecto é realizado em conjunto com a implementação das IAs, que são responsáveis por analisar todos estes grandes dados e obter os resultados desejados.

No campo da fintech, Big Data é uma ferramenta muito valiosa. Se existe um setor em que os dados e números são essenciais, é o inanceiro, e combinando Grandes Dados com inteligência artificial, podem ser obtidos resultados muito valiosos, principalmente no campo da segurança e prevenção.

A grande maioria das aplicações dos Grandes Dados no setor fintech são aquelas que vimos na secção de IA.

Vamos agora analisar dois outros conceitos que continuam a ganhar força no setor fintech.

2.5 Blockchain

O primeiro destes conceitos é a Blockchain. Um conceito que pode ser algo confuso de entender, mas que, como qualquer sistema, tem uma base, da qual a sua filosofia mais básica pode ser aprendida. Como o seu nome sugere, a cadeia de blocos é uma“cadeia de blocos“.

Para fazer uma comparação com o setor financeiro, este sistema é como um livro razão, no qual todas as transacções que são feitas dentro desta cadeia são registadas. A grande diferença com o livro razão é que esta cadeia não pode ser modificada, por isso não pode ser corrompida. As transacções, uma vez registadas, só podem ser verificadas e verificadas de uma forma segura e pública. Esta é uma grande vantagem proporcionada pela tecnologia fintech.

Embora este sistema já exista há décadas, está a tornar-se cada vez mais popular, graças à sua combinação com novas tecnologias. O Blockchain oferece uma nova forma de realizar transacções financeiras com parâmetros de alta segurança.

O exemplo mais claro é o das moedas criptográficas. O sistema de compra e venda destas moedas é através da Blockchain e cada transacção deixa um registo indelével.

É por isso que as grandes empresas do setor fintech estão a apostar neste sistema. A combinação de Blockchain e fintech representa uma oportunidade para alcançar a transformação digital do setor financeiro.

2.6 Computação em nuvem

Se há um componente que está a tornar-se cada vez mais essencial, é o conceito de cloud computing, mais conhecido como a nuvem. Este sistema massivo de armazentamento é a ferramenta perfeita para reunir tudo o que vimos até agora.

Ao analisarmos a relação entre a computação em nuvem e as outras tendências vistas acima, torna-se evidente que a nuvem é essencial para o desenvolvimento tecnológico no setor fintech. Desde o seu envolvimento na banca aberta até ao sistema sandbox, passando pelo seu papel no desenvolvimento de Grandes Dados e IA, a computação em nuvem atua como um ponto central, tanto em termos de armazenamento como de execução de software.

É por isso que é uma tendência em crescimento contínuo. No setor fintech, qualquer ferramenta que automatize, facilite e acelere os processos é altamente valorizada.

Num dos nossos artigos anteriores, analisámos como a computação em nuvem funcionava no setor da Software como um Serviço (SaaS), tais como Tickelia explicando todas as funções que oferece. No seu início, foi concebido como uma solução para o armazenamento em massa de informação, sem a necessidade de o utilizador ter servidores físicos. Mas a tendência da computação em nuvem evoluiu ao ponto de oferecer a execução de software e aplicações, sem ser instalada num computador. Tudo através de uma ligação à Internet.

Fintech pagamento digital

2.7 Pagamento digital

Finalmente, uma tendência que, embora pareça estar integrada na nossa vida quotidiana, continua a crescer e a avançar no setor fintech. Estamos a falar do pagamento digital, cujo avanço constante, com o surgimento de novos métodos de pagamento, lhe confere uma importância significativa.

Este sistema procura substituir os métodos de pagamento convencionais por outros que ofereçam aos utilizadores mais segurança, agilidade e conveniência.

Quando nos referimos a pagamentos digitais, estamos a falar de transacções realizadas sem dinheiro físico. Os principais pagamentos digitais são efetuados através de cartões de crédito ou débito, dispositivos móveis ou aplicações específicas.

2.7.1 A pandemia e a mudança de paradigma

Não é coincidência que este conceito seja uma tendência no setor fintech. Mais uma vez, a pandemia causada pelo Covid-19 deixou algumas marcas duradouras em termos de transformação digital .

De acordo com um relatório do centro de análise Funcas, a pandemia reduziu o número de transações, devido aos períodos de confinamento e de insegurança financeira gerada pelo Covid-19. Este relatório destaca o aumento dos pagamentos digitais em comparação com os pagamentos em dinheiro.

A tendência continua a crescer, e o número de transações digitais está cada vez mais próximo das transações em dinheiro, que ainda é o método preferido pela maioria da população. A emergência de novas tecnologias e métodos de pagamento como os mencionados acima, juntamente com inovações como transações via códigos QR e reconhecimento biométrico, está a mudar os hábitos no setor financeiro.

Actualmente, as transacções digitais mais utilizadas, excluindo cartões bancários, são através de dispositivos móveis sem contacto e através de Apps para enviar e receber dinheiro, tais como a Bizum.

2.7.2 A revolução dos pagamentos graças à fintech

Como não poderia deixar de ser, a revolução no setor financeiro vem da mão dos fintechs. Projetos concebidos exclusivamente para a transformação tecnológica das finanças.

Anteriormente, vimos como a pandemia tinha afetado significativamente os pagamentos em dinheiro, incluindo cartões de crédito e débito. Isso é atribuído à grande irrupção da fintech. De 2019 até o final do ano 2021, os pagamentos sem contacto cresceram 150%, de acordo com um relatório da empresa de consultoria Accenture.

Esta é a tendência a seguir. O número de pagamentos usando dispositivos digitais irá aumentar e não é coincidência, pois existe um fator importante a ter em conta: a mudança geracional. As gerações digitais estão a crescer com estas influências, portanto, não deve supreender-nos que os jovens decidam fazer os seus pagamentos com os seus telemóveis ou com Apps concebidos para tais funções. Pelo contrário, como vimos ao longo deste artigo, as fintech oferecem alguns conceitos muito importantes: segurança, facilidade e agilidade.

2.8 BNPL, Compre Agora, Pague Mais Tarde

Outra tendência crescente são os serviços financeiros fora da indústria financeira. “Comprar Agora, Pagar Mais Tarde”, também conhecido como “BNPL”, permite aos utilizadores fazer compras através da concessão de um empréstimo ou pagamento em prestações, ambos não vinculados a bancos.

Este método de pagamento já está integrado há vários meses, especialmente em plataformas digitais, tais como o comércio electrónico, plataformas de jogos de vídeo, etc., e tem facilitado a muitos utilizadores a realização de compras em prestações mensais, evitando as taxas que os bancos normalmente cobram quando concedem créditos e empréstimos.

Para realizar a BNPL, os utilizadores só têm de seleccionar os montantes e/ou fracções em que querem pagar o montante do preço. Não é, portanto, surpreendente que a sua utilização se tenha tornado popular entre os jovens. De acordo com o relatório de pagamentos Global da World Pay, “Buy Now, Pay Later” deverá representar até 9% das despesas totais do comércio electrónico até 2023.

3. Tendências actuais da fintech

Resumindo, podemos ver como a grande maioria das tendências que explicamos ao longo deste artigo estão a ser ativamente implementadas. Tendências que oferecem uma melhoria substancial nas operações do setor financeiro, as quais têm um impacto direto nos utilizadores.

Vamos dar uma olhada num resumo de cada tendência:

  • Banca aberta: Este sistema favorece a independência dos clientes de um banco para realizar operações, seja para as suas contas ou serviços, bem como para terceiros que precisam de informação. O utilizador é o proprietário da informação e decide a quem a dar, evitando intermediários.
  • Sandbox ou caixa de areia: Uma ferramenta muito útil para continuar a progredir com projetos ligados à fintech. Um espaço de teste que oferece uma grande segurança para evitar o máximo de riscos possíveis e permitir que estes projetos sejam viáveis e seguros.
  • A combinação de Inteligência Artificial com Grandes Dados e Cloud Computing: Uma união de forças que nos permite continuar a apostar na automatização e digitalização dos processos financeiros.
  • Blockchain: este é um sistema revolucionário de operações financeiras, baseado numa cadeia de códigos que não podem ser modificados, oferecendo assim a máxima segurança, prevenindo fraudes e tornando-as incorruptíveis.
  • Pagamentos digitais: Esta é sem dúvida uma das tendências mais visíveis, juntamente com a Blockchain. Os utilizadores estão a ver como a forma de pagamento evolui cada vez mais e conceitos como notas e moedas estão a dar lugar a pagamentos com smartphones ou smartwatches, bem como transferências de dinheiro através de aplicações concebidas exclusivamente para este fim.

A fintech está a oferecer uma riqueza de alternativas aos sistemas financeiros actuais. A muitos deles faltam os aspetos que estão a ser oferecidos pelos projetos fintech. Aspetos como segurança, digitalização, automação , eficiência e conveniência para os utilizadores, que são cada vez mais valorizados positivamente.

Demonstraçao Tickelia

Descobre outros blogs da Tickelia

Tag
Compartilhar
Gemma Mondéjar
Marketing Júnior no Departamento de Marketing da Inology. Licenciada em Comunicação e Indústrias Culturais pela Universitat de Barcelona.
  • Os posts mais lidos de Fintech
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.