ROA

ROA e ROE: o que são e para que servem?

O ROA e o ROE são duas métricas financeiras vitais para avaliar a situação financeira e o desempenho de uma empresa. Enquanto o ROA mede a eficiência na utilização de ativos, o ROE mostra o retorno para os acionistas. Para entender as diferenças entre ambos indicadores e saber mais, continue a ler o nosso artigo.

1. O que é ROA?

ROA significa “Return on Assets” em inglês, que em português pode ser traduzido como “Retorno sobre ativos“. O ROA é uma métrica financeira que avalia a eficiência de uma empresa na utilização de seus ativos para gerar lucro. Essa métrica é importante para os investidores e analistas financeiros, pois ajuda a determinar o quão eficaz uma empresa é na geração de lucro a partir dos recursos que possui.

2. Como calcular o ROA?

O cálculo do ROA é relativamente simples e é feito usando a seguinte fórmula:

ROA = Lucro líquido/Ativos totais

O numerador, “Lucro líquido“, representa o lucro que uma empresa obtém após a dedução de todas as despesas, incluindo impostos. O denominador, “Ativos totais“, representa o valor total de todos os ativos que a empresa possui, como propriedades, equipamentos, investimentos e valores mobiliários.

O ROA é expresso como uma percentagem e indica quanto lucro a empresa gera para cada euro (ou a moeda que for) investido em ativos. Um ROA mais alto é geralmente mais desejável, pois indica que a empresa está utilizando eficientemente seus recursos para gerar lucros. No entanto, a interpretação do ROA deve ser feita em conjunto com outras métricas e considerações específicas do setor para uma avaliação completa do desempenho financeiro de uma empresa.

2.1 Exemplo prático de cálculo do ROA

Suponha que queremos calcular o ROA da empresa A, que tem um lucro líquido de 200.000€ e ativos totais de 1.000.000€.

O ROA da empresa é de 20%, o que significa que gera um retorno de 20% sobre seus ativos. Em outras palavras, a cada euro investido em ativos gera 20 cêntimos de lucro.

Os investidores podem usar essa métrica para avaliar o desempenho financeiro relativo das duas empresas e tomar decisões de investimento informadas.

3. Características do ROA

Ao avaliar o ROA, é essencial considerar o contexto, incluindo o setor, a natureza dos ativos da empresa e outros fatores financeiros e operacionais. Algumas das características deste indicador são:

  • Medida de eficiência: O ROA indica quão eficientemente uma empresa utiliza os seus ativos para gerar lucros.
  • Comparabilidade: Embora o ROA possa variar de acordo com a indústria, é útil para comparar a eficiência operacional entre empresas do mesmo setor.
  • Inclusão de todos os ativos: Ao contrário de outras métricas, o ROA considera todos os ativos da empresa, tanto tangíveis como intangíveis.
  • Sensibilidade à operação: O ROA é sensível a fatores operacionais e decisões de gestão, uma vez que qualquer alteração nos rendimentos ou ativos afetará diretamente esta proporção.
  • Indicador de risco: Um ROA baixo pode indicar problemas operacionais ou gestão ineficiente de ativos, o que pode ser visto como um risco pelos investidores.
  • Universalidade: É uma métrica amplamente reconhecida e utilizada em análises financeiras em todo o mundo.
  • Variabilidade temporal: O ROA pode variar ao longo do tempo, mesmo para a mesma empresa. É importante analisar as tendências do ROA ao longo do tempo em vez de focar apenas num valor pontual.
  • Influência da depreciação: Uma vez que a depreciação reduz o valor dos ativos e o lucro líquido, pode afetar o ROA. Empresas com políticas de depreciação mais agressivas podem apresentar um ROA diferente em comparação com aquelas com políticas mais conservadoras.
  • Perspetiva a curto prazo: Uma vez que se baseia no lucro líquido e nos ativos totais de um período específico (geralmente um ano), o ROA oferece uma perspetiva a curto prazo sobre a rentabilidade e eficiência de uma empresa.

Como todos os indicadores financeiros, o ROA tem as suas limitações. Por exemplo, em indústrias intensivas em ativos, como a indústria de manufatura, um ROA baixo pode ser comum e não necessariamente indicar uma gestão ineficiente.

Diferenças entre ROA e ROE

4. Qual é um ROA bom?

Em geral, um ROA mais elevado é desejável, pois indica uma utilização eficiente dos ativos para gerar lucros. No entanto, o que é considerado “bom” pode depender de vários fatores, incluindo:

  • Setor da indústria: Diferentes setores têm diferentes padrões de ROA. Setores com ativos intensivos, como manufatura, podem ter ROAs mais baixos em comparação com setores de alta tecnologia ou serviços. Portanto, é essencial considerar a média do setor ao fazer comparações.
  • Tamanho da empresa: Empresas maiores podem ter ROAs ligeiramente mais baixos devido à escala e diversificação de ativos. Empresas menores, por outro lado, podem ter ROAs mais elevados, pois tendem a ser mais ágeis.
  • Objetivos da empresa: Os objetivos e estratégias da empresa também influenciam o que é considerado um ROA bom. Uma empresa em fase de crescimento pode estar disposta a aceitar um ROA mais baixo se estiver investindo em expansão.
  • Comparação com concorrentes: Comparar o ROA da empresa com os concorrentes diretos no mesmo setor pode oferecer uma perspetiva valiosa sobre o desempenho relativo.

5. O que é ROE?

O ROE (Return on Equity), que em português pode ser traduzido como “Retorno sobre o patrimônio líquido,” é uma métrica financeira que mede a rentabilidade de uma empresa em relação ao seu patrimônio líquido. O patrimônio líquido representa a parte dos ativos de uma empresa que pertence aos acionistas (acionistas comuns) após a dedução de todas as obrigações da empresa.

6. Como calcular o ROE?

O cálculo do ROE também é relativamente simples e é realizado da seguinte forma:

ROE= Lucro líquido/Patrimônio líquido

Como no cálculo do ROA, o “Lucro líquido” representa o lucro que uma empresa obtém após a dedução de todas as despesas, incluindo impostos. O “Patrimônio líquido,” representa a diferença entre os ativos totais e as obrigações da empresa.

O ROE é expresso como uma porcentagem e indica quanto retorno uma empresa oferece aos acionistas em relação ao patrimônio líquido investido. Um ROE mais alto é geralmente considerado positivo, pois sugere que a empresa está gerando mais lucro em relação ao dinheiro dos acionistas.

7. Características do ROE

As principais características do ROE são:

  • Medida de rentabilidade: Mede a rentabilidade de uma empresa em relação ao capital aportado pelos acionistas.
  • Perspetiva dos acionistas: Ao contrário de outras métricas, o ROE centra-se especificamente no retorno para os acionistas, tornando-o uma métrica chave para os investidores.
  • Comparabilidade: Tal como o ROA, o ROE é útil para comparar a rentabilidade entre empresas do mesmo setor.
  • Sensibilidade à gestão: O ROE pode ser influenciado por decisões de gestão, como a estrutura de financiamento (dívida vs. capital próprio) e políticas de reinvestimento.
  • Universalidade: Tal como o ROA, é um indicador reconhecido e utilizado internacionalmente.

8. Diferenças entre ROA e ROE

Como mencionado, tanto o ROA quanto o ROE são métricas financeiras que avaliam a rentabilidade de uma empresa. No entanto, concentram-se em diferentes aspetos da estrutura financeira e fornecem perspetivas distintas sobre o desempenho da empresa. Aqui estão as principais diferenças entre ambos indicadores:

Base de Cálculo:

  • ROA: Mede a rentabilidade da empresa em relação aos seus ativos totais.
  • ROE: Mede a rentabilidade da empresa em relação ao património líquido dos acionistas.

Perspetiva:

  • ROA: Indica quão eficientemente uma empresa está a utilizar todos os seus ativos (tanto financiados por dívida como por capital próprio) para gerar lucro.
  • ROE: Indica quão eficientemente uma empresa está a utilizar o capital investido pelos acionistas para gerar lucro.

Utilização:

  • ROA: É útil para comparar a eficiência operacional entre empresas, independentemente de como estão financiadas.
  • ROE: É especialmente relevante para acionistas e investidores, uma vez que reflete o retorno que estão a obter sobre o seu investimento na empresa.

Sensibilidade:

  • ROA: É menos sensível à estrutura de financiamento da empresa.
  • ROE: Pode ser influenciado pela estrutura de financiamento. Por exemplo, uma empresa com uma alta proporção de dívida pode ter um ROE mais elevado devido à alavancagem financeira, mas isso também pode aumentar o risco.

Indicador de risco:

  • ROA: Um ROA baixo pode indicar problemas operacionais ou gestão ineficiente dos ativos.
  • ROE: Um ROE alto devido a uma alta proporção de dívida pode indicar um maior risco financeiro.

Resumidamente, enquanto o ROA oferece uma perspetiva ampla da eficiência operacional de uma empresa em relação a todos os seus ativos, o ROE concentra-se especificamente na rentabilidade para os acionistas. Ambas as métricas são valiosas, mas é importante interpretá-las no contexto adequado e em conjunto com outras métricas financeiras.

9. Vantagens da digitalização na gestão de despesas

A gestão eficiente de recursos e despesas pode contribuir significativamente para melhorar o ROA e o ROE das empresas. Tickelia, como uma solução digital para a gestão de despesas empresariais, desempenha um papel vital neste contexto:

  • Eficiência operacional e ROA: Ao digitalizar e centralizar a gestão de despesas, a Tickelia ajuda as empresas a utilizar os seus ativos de forma mais eficiente. Uma gestão adequada de despesas e adiantamentos pode reduzir custos desnecessários e, assim, melhorar o lucro líquido, o que, por sua vez, pode aumentar o ROA.
  • Otimização do capital e ROE: Ao fornecer análises de dados em tempo real e permitir um controlo personalizável de despesas, a Tickelia pode ajudar as empresas a tomar decisões estratégicas informadas. Isso pode resultar em maior rentabilidade, beneficiando diretamente os acionistas e, consequentemente, melhorando o ROE.
  • Redução de erros, mais eficiência: A capacidade da Tickelia de digitalizar despesas e automatizar o processo, desde o pagamento até à contabilização, minimiza erros humanos. Isso não só reduz os custos associados a erros e fraudes, mas também melhora a precisão dos relatórios financeiros, o que é essencial para calcular métricas como ROA e ROE.
  • Tomada de decisões estratégicas: Com as informações e análises em tempo real oferecidas pela Tickelia, os líderes empresariais podem tomar decisões mais informadas sobre como alocar recursos e capital, o que pode influenciar diretamente o ROA e o ROE.

Em resumo, a gestão eficiente de despesas oferecida pela Tickelia, pode ter um impacto direto na rentabilidade e eficiência de uma empresa, o que, por sua vez, afeta indicadores-chave como o ROA e o ROE.

Automatize a gestão de despesas e viagens de empresa com Tickelia
Tag
Compartilhar
Laura Sierra
Redactora de conteúdos na Inology. Licenciada em Comunicação Social e Jornalismo pela Universidad de La Sabana.
  • Os posts mais lidos de Contabilidade e Fiscalidade
  • Redes sociais
    Artigos Mais Recentes
    Newsletter
    Os artigos mais
    lidos do Blog
    Demonstração

      Ver condições

      Artigos relacionados

      O esforço da Autoridade Tributária em combater a evasão fiscal intensifica-se ano após ano. Tanto para pessoas singulares como para empresas, as inspeções tributárias estão

      ...

      O encerramento contábil é uma das tarefas mais importantes para a empresa em termos financeiros. Graças a este processo, é possível obter uma visão geral

      ...

      O mundo empresarial está alocando cada vez mais recursos para ter o máximo controlo sobre suas finanças, monitorando de perto a situação econômica por trás

      ...

      Solicite uma demonstração

        Obtenha o Guia preenchendo este formulario


          Descarregue o nosso Guia para digitalizar as despesas empresariais!

          Descubra como automatizar o processo de gestão de despesas e os seus benefícios com o nosso Guia completamente gratuito.